A LUTA PELA DEMOCRATIZAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Compartilhe esta notícia.

Mesa debate a cobertura das lutas dos movimentos sociais pela imprensa   

Na tarde desta quinta-feira, 24 de setembro, a primeira mesa de debates tratou do tema “Os movimentos sociais e a disputa comunicacional no Brasil”, com relatos emocionantes da cacique guarani Kerexu Yxapyry, da Terra Indígena Morro dos Cavalos, e de Débora Maria da Silva, fundadora e coordenadora do movimento Mães de Maio. A jornalista Bia Barbosa, do Intervozes, falou sobre a frente popular de democratização da comunicação.

Direitos humanos na profissão

Ao relatar sobre sua experiência profissional, Bia Barbosa relatou sobre a importância na sua vida em definir onde que a questão dos direitos humanos é colocada na profissão. Ela convocou a todos para a mobilização popular contra ações do poder legislativo que colocam a democracia, que já está limitada, em risco.

“A lei antiterrorismo, que tramita na Câmara Federal, vai criminalizar ainda mais os movimentos sociais. Nós que vamos para as ruas, que nos mobilizamos, todos nós, do movimento sindical, também seremos considerados criminosos”, alertou.

Comunicação

Para ela, parte significativa do cenário atual da comunicação é porque historicamente não enfrentamos a concentração midiática brasileira. Sobre a internet, Bia acredita que é o principal meio de comunicação para se exercer liberdade e articular ações, mas 40% da população ainda não tem acesso. “Mas precisamos ocupar esse espaço”.

Ela defende que é preciso uma política pública de universalização da comunicação. “Poucos pautam e falam da formação de opinião pública. A maioria é apenas ouvinte e leitor. Não vamos conseguir transformar a sociedade brasileira enquanto não mexermos na estrutura midiática. A comunicação é direito fundamental”, encerrou, falando sobre o abaixo assinado para o projeto de lei de iniciativa popular pela democratização da comunicação.

Em busca da Terra Sem Males

A cacique guarani Kerexu Yxapyry, da Terra Indígena Morro dos Cavalos, relatou as lutas de seus povos, a história dos índios guaranis, explicou suas tradições, a importância para os guaranis de estarem nas suas terras próximas ao mar, o bombardeio da mídia com a causa indígena.

Kerexu demonstrou segurança e habilidade em representar seu povo e lutar pelos seus direitos, mas a luta é injusta. Em terras já demarcadas, questionam judicialmente a demarcação. Direitos constitucionais podem ser alterados por PEC criada por deputados. Ruralistas e fazendeiros agem com violência.

 “Estamos em 2015 e o genocídio dos povos indígenas desde 1500 ainda não acabou. São crianças morrendo, mulheres sendo atacadas. Por fazendeiros, por ruralistas, por deputados que querem a PEC 215”, declarou.

Acesse aqui trechos do depoimento da cacique guarani Kerexu Yxapyry.

Mães de Maio e suas 600 vítimas

“Eu sou a mãe de uma das 600 vítimas de maio. Meu filho era trabalhador, era gari, e foi executado”, se apresentou Débora Maria da Silva, fundadora e coordenadora do movimento Mães de Maio.

Para resumir a importância do movimento na disputa midiática, Débora contou que Vito Giannotti a chamava de “bandida”. “A bandida que roubou a mídia, que se democratizou para respeitas o movimento das Mães de Maio”.

Para quem não se familiariza sobre o que se trata, as vítimas a que o movimento se refere são os 600 jovens executados no estado de São Paulo entre os dias 12 e 19 de maio de 2006. Nos popularmente chamados “ataques do PCC”.

“A imprensa rotulou a morte dos nossos filhos como ataque do PCC, mas nós fizemos a Globo dizer que somos as vítimas dos Crimes de Maio. O PCC não matou nossos filhos. Eles foram vítimas de uma retaliação de um agente que teve um familiar sequestrado”, contou Débora.

Crítica ao movimento sindical

Débora falou sobre a omissão do movimento sindical com o movimento das mães de maio. “O movimento sindical não toca nesse assunto. E o nosso movimento é de enfrentamento à violência policial”.

Débora citou a luta do movimento pela votação da PEC 51, que está engavetada. É um projeto que prevê a desmilitarização da polícia militar. “A dor da mãe do policial é a mesma dor de uma mãe de vítima e de uma mãe de bandido. Que não pede pra ele ser assim”.

Revolução das mulheres

“Nós somos mulheres, no movimento tem donas de casa que não sabiam pegar um ônibus. E hoje Brasília é pequena pra gente. A revolução vem das mulheres. Colocou o nome das Mães de Maio e eles ficam tremendo”.

Acesse aqui a matéria no site do Sindicato dos Bancários

Saiba mais:

Em busca da Terra Sem Males
As redes sociais são um problema no jornalismo sindical?
Comunicação sindical para mudar a forma de pensar

Por Paula Zarth Padilha
Terra Sem Males/SEEB Curitiba

anuncio-tsm-posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *