A verdade sobre o que a Gazeta chamou de “custo do acesso”

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Essa semana o Paraná Clube serviu mais uma vez de pano de fundo para a discussão sobre a atuação da grande mídia no país. Diante da divulgação do balanço financeiro do tricolor em 2017, uma matéria da Gazeta do Povo disse ter encontrado o que chamou de “custo do acesso”.

É que em 2017 saíram do caixa do Paraná R$ 45 milhões a mais do que entraram. Mas não é correto chamar isso de déficit. Essa diferença não foi por conta do salário dos jogadores, nem por conta de falta de torcida. Aliás, o Clube arrecadou quase a mesma quantidade com receitas de TV (R$ 7,8 mi) e bilheteria (R$7mi). O que fez a balança ficar assim foi o pagamento de dívidas. Mas a notícia em nenhum momento explica a informação. Afinal, notícia ruim “vende” mais.

Esse blog conversou com a assessoria do Clube que alegou não ter sido procurada para falar sobre o assunto. Não é possível que um tema tão importante seja tratado com tamanha displicência pela Gazeta. Fica aqui a nossa crítica também ao Paraná Clube, que divulgou o balanço de forma crua. São 27 páginas recheadas de termos técnicos.  Isso permitiu a Gazeta a fazer a leitura que bem entendesse.

Insinuar que o acesso trouxe déficit financeiro ao tricolor é subestimar a inteligência da torcida. Tudo em troca de algumas centenas de cliques, o que hoje em dia gera dinheiro. Existe no Clube uma política de salários enxutos, de controle de gastos e busca pelo equilíbrio financeiro. Isso precisa ser abordado quando falamos na campanha do acesso.

E vamos a Chapecó!

Confira aqui o balanço financeiro de 2017

Texto : Marcio Mittelbach

Foto: Geraldo Bubniak/Paraná Clube

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *