Capítulo V – FUTEBOL SEM TEMPERO, MAS O PAÍS TEM GOSTO

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

SEGUNDA PARTE

::Capítulo V – Dívida

Depois da desculpa de Bigode, imaginei que o bicho ia pegar. Então perguntei, meio desesperado, o que havia acontecido.

Tião me explicou que Bigode foi buscar Cat Blake numa festa depois do jogo Brasil e Bélgica. Quando a pegou, já na volta, foi surpreendido por um ‘preiboi’, como ele mesmo diz, que estava com mania de perseguição pra cima dela.

O lance é que a Cat Blake, já doidona, estava deitada no banco de trás tentando dormir. O cara sabia que ela estava no táxi, por isso entrou na frente do táxi e o parou.

– O que eu não entendo, seu véio burro, é por que você parou a porra do carro? – disse Tião pro coroa. Com certeza Bigode também estava, por isso parou. Ele disse ainda que pensava se tratar de um assaltante, por isso deu uma de herói:

– A hora que o malandro parou o carro dele na frente do meu, já puxei meu revorve. Quando o mardito se aproximo, já esbugaiou o zóio de surpresa. Aí voceis sabe, né? Eu não amarelo. Quando ele viu que eu tava maquinado, só faltou rezar.

– Foi aí que eu acordei! Eles estavam gritando – emendou Cat Blake.

A sequência da ‘estória’ ou história é que Cat Blake saiu do carro e foi pra cima do cara. Disseram que o pau pegou.

Bigode explicou que perdeu o controle da situação. Ele só queria deixar Cat Blake dar umas porrada no tarado, mas eles acabaram se embolando no meio da rua. Foi uma gritaria e, enquanto o bicho pegava, Bigode ficou com a arma apontada pro cara.

A coisa mais incrível é que bem na hora passava por lá Tim e Tião. Quem apareceu também, depois de tanta bagunça e gritaria, foi a polícia.

– Se a gente não chega, vocês tavam era fodidos! – disse Tim pro Bigode. – Vixi! Se ia – respondeu ele.

No fim Tião arcou com a bagunça. Molhou a mão de todo mundo, negociou com a polícia e mandou prender o tarado. Antes, obviamente, Tim espancou o cara no meio da rua.

– Só não entendi como vocês estavam no local? – perguntei pro Tião.

– Porra, Zaca, sei lá mano. Saímos daqui e fomos pro rolê depois do jogo. Aí vimos uma briga e paramos pra ver. Do nada era o Bigode e a Cat – Tião a chama com intimidade. Achei estranho.

Coincidências acontecem, realmente, mas a história estava estranha.

Bigode, cabisbaixo, diz:

– Porra, num tenho como te pagá, Tião.

– Soltou muita grana? – perguntei.

– Compro us homi, sabe como é. I tem outra, os homi tão na cola do meu táxi – disse Bigode.

– Também tão ligado no nosso carro – disse Tim.

– Então, Zaca, tá vendo a situação? Do nada tivemos que desembolsar uma puta grana pros homi. Sem contar que viram nosso carro e também sacaram que temos dinheiro. Certeza que vão botar P2 na área. Vai ficar tenso, entende? – disse Tião.

– Entendo. Mas qual vai ser a parada?

– A parada é a seguinte: vai ter que ter mudança aqui no bar, apesar de saber que você não quer, não tem escolha. O negócio vai ser encher teu bar de telão, começar a passar tudo quanto é jogo de futebol e gerar movimento. Eu o Tim arcamos com a porra toda e também vamos gerenciar os serviços extras aqui na área. Vamos investir nessa espelunca. Mas aí, malandro, tem que passar o máximo de jogo possível. Reprisar se tiver que reprisar e fazer a grana rolar. Se quiser, dá até pra meter uma jogatina lá nos fundos do boteco. Lógico, você vai receber o seu, pode ter certeza.

Depois de uma pausa. Tião olhou pra mim e foi direto ao ponto:

– E aí, o que achou da ideia?

 

Por Jornaldo

Leia Capítulo IV.

Um comentário em “Capítulo V – FUTEBOL SEM TEMPERO, MAS O PAÍS TEM GOSTO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *