Casa do mundo

Compartilhe esta notícia.

Por Pedro Carrano

Ele assistiu pela TV à rápida passagem da câmera pelo trancaço na BR-277 feito pelos moradores da aldeia Araçaí, numa jornada de lutas nacional contra mudanças na demarcação de terras indígenas.

A notícia na realidade foi sobre o congestionamento na estrada, enquanto o que o marcou foram os gestos e cantos notados por alguns segundos no canto da tela. Uma música tocou por dentro, arrastou e o contaminou.

Caminho

Sem pensar muito, naquele ímpeto de pesquisador, ele se atirou em busca da Araçaí. Em meio a um santuário, na região das águas que irrigam a capital, esconde-se esse espaço, etnobiodiverso, instalado em Piraquara, na grande Curitiba.

Araçaí abriga 18 famílias e 40 crianças. Ao todo, 78 indígenas da etnia Mbyá Guarani.

Ele descobriu que no local não é possível o cultivo e o abate de animais, em plena área de preservação ambiental. Cães e capivaras disputam, sossegadas, seu espaço na vila, enquanto animais de criação não são permitidos. O artesanato e as doações tornaram-se, com os anos, a fonte de renda.

Dor

Antes mesmo de pegar o carro e se dirigir quase por instinto até a aldeia, onde chegou com facilidade, como se já conhecesse há muito tempo aqueles caminhos de terra, as notícias pipocavam.

Os povos indígenas no centro do turbilhão, tudo apontado no seu caderno de anotações:

  1. O assassinato de uma criança caingangue de dois anos, em Santa Catarina, atravessou a sua garganta, alerta vermelho sobre a falta de condições dos povos que se deslocam para vender artesanatos nas cidades, e ficam nos arredores das rodoviárias.
  2. As propostas de mudanças no congresso prevendo a transferência da competência pela demarcação de terras indígenas, quilombolas e de Áreas de Proteção Ambiental do executivo para o legislativo, com a proibição também de ampliar as terras indígenas já demarcadas.
  3. Os ataques e assassinatos contra os guarani kaiowá no Mato Grosso do Sul. As ameaças e despejos forçados na região de Guaíra, no Paraná, fronteiriça ao Paraguai.
  4. O golpe de Estado e o sinal verde para todos os fantasmas anti-povo tirarem as escopetas do armário.
  5. Os editoriais recortados de jornais de Cascavel (PR), onde figuram cartoons de índios bêbados, arruaceiros, “invasores com o MST”.

Casa

– “Queremos fazer plantios sem agredir a natureza, queremos cultivar o nosso milho tradicional”, diz Werá-Tupã, jovem cacique e liderança da Araçaí.

Na caminhada dele no núcleo daquele pequeno universo da Araçaí, não eram apenas as informações que o chamavam e o tocavam. Também isso, mas havia para ele uma bússola, um chamado mais forte, que o fazia transitar por tudo aquilo como se algo de si pertencesse à reserva.

Caminhou até a casa. Já havia passado e conhecido a casa de rezas. Provado a fumaça baforada por velhos anciões, que hoje guardam a falta de ansiedade no coração como se fosse uma nova joia preciosa. Passou pela escola que ajudava a manter os fonemas e sons do idioma.

Era gritante a manutenção de moradia em condições precárias. Com a umidade local, a estrutura de pau-a-pique cede, como explica o cacique.

– Mas eles se mantêm, eles se mantêm assim mesmo, pensou.

O que o chocou é que aquelas fachadas de tábua e adobe nunca mudaram desde o início da comunidade. E também porque faziam parte da sua memória. A algazarra das crianças em meio aos cães, a receptividade tranquila e paciente dos moradores também. Eram como algum componente solto na sua recordação e que agora ele percebia. Já estive aqui?, questionou-se.

Naquele momento, ele preencheu um vazio e um bloqueio na sua memória. De um passado que ele sempre atropelou e havia resolvido não olhar para trás. Como se aquelas águas de Piraquara inundassem uma terra desabitada na sua mente. Como se nunca houvesse parado para pensar na origem dos seus próprios olhos negros. Mas agora ele estava diante daquela casa.

Que era a sua.

 

Texto de Pedro Carrano publicado no livro “Crônicas da Resistência”, lançado na semana passada, reunindo 83 autores que resistem contra o golpe. Esta mistura de crônica e reportagem é sobre a luta indígena.

 

anuncio-tsm-posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *