Comunidades do MST doam 2 toneladas de alimentos para aldeias indígenas do Oeste do Paraná

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Alimentos são fruto do trabalho de famílias de camponeses acampados e assentados na região Oeste do Paraná

Foto: Eliana de Oliveira 

Nesta Sexta-feira Santa (10), famílias de camponeses acampados e assentados na região Oeste do Paraná realizaram a doação de 2 toneladas (2 mil quilos) de alimentos para os povos indígenas da etnia Guarani, moradores de reservas localizadas em Guaíra e Terra Roxa. 

A ação faz parte das mobilizações de solidariedade organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Paraná e em todo o Brasil, como forma de ajudar a popular urbana que já sofre os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus. Também contribuíram com a organização da doações em Cascavel as entidades Yvy Rupa, Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e Centro de Trabalho Indigenista (CTI). O vereador Paulo Porto (PT) também participou da ação. 

Armelindo Rosa da Maia é coordenador do MST e produtor agroecológico morador do assentamento Valmir Mota, em Cascavel, e explica a motivação das ações de solidariedade com a população: “Nós entendemos a importância da solidariedade, e nós temos recebido essa solidariedade da cidade em vários momentos da nossa luta, principalmente nos momentos que mais precisamos. E hoje com a posse da terra, mesmo que ainda nos acampamentos, as famílias produzem muitos alimentos e podem doar. Fazemos esse ato solidário porque entendemos que a luta dos povos indígenas é uma luta justa”. 

A conquista da terra permite que agricultores e agricultoras agora possam se solidarizar com que precisa, como conta Oiti Finkler, do assentamento Santa Terezinha, de Cascavel. “Os índios estão na luta pela terra também, e estão com uma demanda maior que a nossa hoje com a alimentação. Muitas pessoas estão com bastante carência, bastante deficiência em alimentação e nós temos o privilégio de poder contribuir com a luta”. 

Para as famílias, esse ato de solidariedade é o que alimenta a esperança e torna o ser humano mais humano. “O sentimento é de partilhar. Nós temos que compartilhar o pouco que temos e ajudar os outros, porque às vezes pode ter, mas não é o suficiente. A gente colabora sim, como pode. Deus ajuda mais pra gente, a agente colabora mais. Não é mesmo?”, disse Maria Madalena assentada na comunidade Valmir Mota há 8 anos.

“Pra gente é uma satisfação poder ajudar. Em tantos momentos a gente foi ajudado também. Em vários momentos da luta teve irmãos que contribuíram com a gente. Por isso pode contribuir nesse momento é uma satisfação”, garante Jamir Luiz Hartmamm, do assentamento Valmir Mota, que está no Movimento Sem Terra desde 2003. 

Participaram do mutirão de arrecadação o assentamento Valmir Mota e os acampamentos 1º de Agosto, Dorcelina Folador e Resistência Camponesa, todos de Cascavel; os assentamentos Sepé Tiaraju e Olga Benário, de Santa Tereza do Oeste; e o acampamento Nova Semente, de Catanduvas.

Ações de solidariedade em todo o estado

A exemplo do que tem ocorrido em vários estados brasileiros, os acampamentos e assentamentos do Paraná estão realizando doações de alimentos em todas as regiões do estado. Nesta terça-feira (7), 5 toneladas de alimentos orgânicos foram doadas pelos acampamentos Maria Rosa do Contestado e Padre Roque Zimmermann, em Castro, e pré-assentamento Emiliano Zapata, em Ponta Grossa. 

Neste sábado, 14 toneladas de alimentos vindos do acampamento Maila Sabrina, de Ortigueira, serão doados a mais de mil famílias de quatro ocupações urbanas da Cidade Industrial de Curitiba, a CIC. Em Londrina, o assentamento Eli Vive vai doar cerca de 7,5 toneladas de alimentos para moradores da zona sul da cidade. 

Além de comida, a Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória (Copavi), localizada no assentamento do MST Santa Maria, em Paranacity (PR), doou 60 litros de álcool 70% para o Hospital Municipal Doutor Santiago Sagrado Begga, na última quinta-feira (2). O álcool será usado pelos profissionais de Saúde do município, que já está em quarentena há cerca de 15 dias. 

No Paraná, 10 mil famílias vivem em 70 acampamentos do MST e cerca de 25 deles enfrentam o risco do despejo. O estado tem  24 mil famílias assentadas, que moram em 369 assentamentos da reforma agrária.

Clique aqui para ver mais notícias sobre reforma agrária.

2 comentários em “Comunidades do MST doam 2 toneladas de alimentos para aldeias indígenas do Oeste do Paraná

  • 11 de abril de 2020 em 19:58
    Permalink

    O mst não dá nada reparte o que tem. Dar é o excedente.

    Resposta
  • 12 de abril de 2020 em 12:20
    Permalink

    Pra amançar os índios deppisroubatem as terras deles TB.
    Pra começar índio nem precisa da ajuda da gente.
    Eles sobrevivem melhor que nós.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *