Cucabol, de novo

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Torcida comemora goleada com retorno do bom futebol palestrino.                         
O Palmeiras tomou uma difícil decisão após a derrota na Libertadores: demitir Eduardo Batista e trazer Cuca de volta. Foi uma troca que nunca devia ter acontecido. Mas que aconteceu devido as intermitências do destino. Com a troca, mas uma vez o Palmeiras queimava um técnico promissor. Mais uma vez apostava no imponderável de Almeida.

Mas o raio escolheu cair novamente no mesmo lugar. No mesmo estádio, a mesma goleada por quatro a zero na primeira rodada do Brasileirão. Cuca, e novo, e sua calça na cor vinho.

Assim como em 2016, o Palmeiras não dispara líder. Fica em segundo, atrás do Bahia, que humilhou o Atlético Paranaense por 6 a 2. Coincidência ou  não, mesmo time da estréia no ano passado. Naquele ano, o Santa Cruz largara em primeiro.

Sem conseguir sua hastag predileta – #segueolíder -, os poucos dias revelaram que a diretoria acertou na justificativa para demitir Eduardo Batista: “o time não evoluía”. Com Cuca, por outro lado, evoluiu. O time controlou todo o jogo, tomou alguns sustos, mas foi senhor da partida. A começar pela zaga que não levou gols. O Palmeiras estava se acostumando a levar muitos. No mínimo dois. Hoje, na estréia, nenhum.

No ataque a forte artilharia se manteve com um grande diferencial. Não são mais gols conquistados ao acaso, mas como fruto da organização e superioridade do elenco. Saem os gols de bola parada e entram gols de lance de jogo. Até os pênaltis podem entrar nessa conta, pois são resultados de boas jogadas com bola rolando.

O Cucabol está de volta. E com ele, as jogadas, as inversões de posicionamento dos jogadores, a pressão na saída de bola, a confiança da torcida.

Ainda é cedo pra dizer até onde esse time pode ir. Se pode conquistar algum título em 2017. Se pode conquistar mais de uma competição ou se pode ser o grande fracasso do ano. Mesmo assim, poucos dias após a chegada de Cuca, é perceptível a evolução e que o Palmeiras ainda tem muito a crescer.


Manoel Ramires
Avanti, Palestrinos
Foto: Cesar Greco/SEP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *