Dentes abertos ao sol

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Imagem no rio Xingu que inspirou o conto de Pedro Carrano. Foto: Joka Madruga

A velha não saía nunca daquele rio.

Ali se sentia segura.

Aos poucos percebemos que seus pés viviam imersos na água: aquelas plantas cuja raiz, caule e frutos não estão fincados na terra, mas nas águas do rio.

Enquanto limpava os peixes, a senhora proseava e quando víamos já estávamos nós também com a água pela cintura, sendo puxados cada vez mais para dentro daquele volume gigantesco a se perder de vista.

O desfile de dentes abertos das piranhas estendidas ao sol não chamava a atenção de ninguém, apenas a nossa.

Depois a velha confidenciou que as piranhas eram pescadas ali, na mesma água barrenta que trazíamos na altura do peito. Houve medo, mas não conseguíamos sair dali, apesar do desespero e das tentativas e dos braços batendo na água.

De alguma forma aquela índia dava risada porque sabia. Ela controlava o fluxo das águas, dos peixes, do rio. E o nosso. As piranhas simplesmente nadavam aos nossos pés, e estavam muito menos assustadoras do que aqueles dentes abertos secando à beira do rio.

Por Pedro Carrano
Crônicas de Sexta

Conto inspirado em fotografia de Joka Madruga.
Publicado na primeira edição impressa do Terra Sem Males

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *