Deputado quer que Governo do Paraná realize plebiscito sobre pedágio

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Divulgação mandato do deputado Tadeu Veneri

O deputado estadual Tadeu Veneri (PT) solicita a realização de um plebiscito sobre o pedágio no Paraná. O governo do estado tem tentado renovar o contrato que vence em 2022. A alegação é de que a prorrogação fará com que ocorram investimentos nas rodovias do Paraná. No entanto, o estado tem uma das tarifas mais caras do país e a concessão é alvo de debate político e judicial.

De acordo com Veneri, a renovação não pode ser feita sem debate com a sociedade, desde o cidadão aos setores produtivos. “Somos todos atingidos por essa decisão, que não pode se dar sem discussão com todos os setores da população”, expôs. O deputado apresentou projeto de lei prevendo a realização de plebiscito para decidir sobre a prorrogação dos contratos de cobrança de pedágio no Paraná, que vencem em 2022.

“Será que a população do nosso estado está satisfeita com o sistema atual, com o pedágio que estão pagando? É preciso ouvir o que a população, o cidadão comum pensa. Não apenas ouvir os setores empresariais e achar que o assunto está encerrado”, comentou Veneri.

Por outro lado, o governo do estado quer a prorrogação dos contratos condicionados as obras em 1,8 mil quilômetros de rodovias atendidas pelas concessionárias. “A pena é perdermos a oportunidade de reduzir o preço já e realizar obras que são importantes”, justifica  o secretário da Casa Civil Eduardo Sciarra.

O PDT, por sua vez, aprovou resolução contraria as renovações dos contratos. “Renovar o contrato depois de tudo o que foi discutido sobre pedágio não é a melhor alternativa. O pedágio do Paraná é o mais caro do mundo. O que o PDT defende é a abertura de um novo processo de licitação, com total transparência e discussão com a população”, destaca o presidente estadual do PDT, Osmar Dias.

Por Manoel Ramires
Terra Sem Males

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *