Documento prova que SESP e DEPEN sabiam que PCC ia matar agente penitenciário em Londrina

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

O documento mostra que a Seção de Inteligência da SESP foi informada em outubro da ação que matou um agente do SOE na última terça-feira

Por Waleiska Fernandes
Sindarspen
Foto: Joka Madruga

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná teve acesso a um documento da Seção de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Paraná no qual um preso integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC) informa, em 14/10/2016, que a facção criminosa estava preparando uma emboscada para matar agentes penitenciários do Setor de Operações Especiais (SOE) de Londrina.

Confira reprodução do documento:

Na tarde da última terça-feira uma emboscada alvejou uma equipe do SOE ao lado da Penitenciária Estadual de Londrina II (PEL), matando o agente Thiago Borges, 33 anos, e ferindo outros dois servidores do grupo. Os agentes trabalhavam num carro do governo do estado, completamente inadequado para o cumprimento da atividade. O veículo não era blindado nem tinha película.

Mesmo sabendo da promessa de ataque, a SESP e o DEPEN não tomaram providências para garantir segurança mínima aos servidores.

O Setor de Operações Especiais é um grupo tático do DEPEN, formado por agentes penitenciários treinados para lidar com situações extremas nas penitenciárias. Apesar de existir desde 2012, o SOE ainda trabalha sem a estrutura necessária para a função, obrigando, muitas vezes, que os próprios agentes comprem equipamentos de trabalho, como munição. O grupo está nas regiões de Maringá, Cascavel, Londrina e Curitiba.

SOE aquartelado – Ontem, o chefe do grupamento tático, Humberto Benigno Ferreira Junior, informou ao DEPEN que os integrantes do SOE ficarão aquartelados nas unidades até que o governo do estado dê uma resposta para a falta de estrutura do Setor. A medida aumenta ainda mais a insegurança nas unidades penais do Paraná, já que diante de qualquer anormalidade, os agentes terão que esperar por reforço da Polícia Militar.

Por determinação do DEPEN, nestas quarta e quinta-feiras foram suspensas as movimentações de presos em todas as unidades do estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *