Exposição mostra o câncer de mama de forma direta

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

O Outubro Rosa tem o objetivo de alertar as mulheres sobre os riscos do câncer de mama, ainda assim, os números mostram que a doença continua com números preocupantes. Com o objetivo de atrair ainda mais a atenção para essa doença, que nasce de forma silenciosa e praticamente invisível surgiu o evento  “A Exposição Que Ninguém Quer Ver”, que acontece a partir do dia 3, às 19 horas, no vão central do Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba (PR).

Serão seis paineis expostos com imagens dos exames (lâminas de carcicomas) realizadas por algumas mulheres diagnosticadas com a doença e que estarão presentes na abertura da Mostra.

Flávia Fogagnoli Simas, da agência TIF Comunicação, é uma das coordenadoras do projeto e explica que esta exposição tem um tom diferente pelo assunto e a forma em que será mostrado. “Nossa ideia é utilizar a curiosidade e o interesse dessas pessoas pela arte para mostrar que, na verdade, aquilo que elas quiseram ver é algo que ninguém queria ver: a presença de células cancerígenas  nos seios”, comenta.

Segundo a médica mastologista Karina Furlan Anselmi, do Centro de Doenças da Mama do Hospital Nossa Senhora das Graças, a importância dessa exposição é porque abordou a campanha do Outubro Rosa de maneira diferente.

“A  campanha do Outubro Rosa por si só já é importante porque o número do câncer de mama diagnosticado a cada ano vem aumentando e a campanha realizada (exposição) foca na detecção do câncer enquanto ele é invisível, o quanto é indolor e não é palpável, e quando ele é diagnosticado nesta fase as taxas de cura chegam a quase 100%”, avalia.

Para Karina, os exames anuais são fundamentais para esse diagnóstico. “Por isso, há a importância de se realizar a mamografia anualmente após os 40 anos, por recomendações tanto da Sociedade Brasileira de Mastologia quanto da Sociedade Brasileira de Radiologia. A detecção do câncer na mamografia em lesões com menos de um centímetro, que não são palpáveis têm alto índice de cura”, explicou.

Por Julio Cesar Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *