FES convoca novas mobilizações em defesa dos direitos dos servidores paranaenses

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Manifestações contra o pacotaço estão marcadas para segunda-feira, 21, na Assembleia Legislativa

Após uma semana de resistência, para travar a votação do novo pacotaço de Beto Richa, o Fórum Estadual dos Servidores (FES) convoca os servidores para mobilizações na próxima semana. De segunda a quarta feira (21 a 23 de agosto), as manifestações serão concentradas na Assembleia Legislativa (Alep). Dia 21, a partir das 14 horas. Na terça e quarta as mobilizações começam às 09 horas.

Foram várias reuniões com na Seap, Casa Civil e na Liderança do Governo na Assembleia Legislativa (Alep) para apresentar as propostas alternativas dos servidores para exclusão ou modificação de artigos. O FES conseguiu, através do mandato do deputado Professor Lemos, realizar a audiência pública no dia 14, que reuniu mais de 500 servidores na Alep para manifestação no plenário e visitas gabinetes das lideranças dos partidos.

Desde o dia 07, após tomar conhecimento do Projeto de Lei 370, o Fórum decidiu por intensificar a resistência. Mesmo sabendo das dificuldades de mudança no conteúdo do PL, representantes dos servidores buscaram mostrar ao governo as discordâncias das categorias em relação ao projeto.

O FES continua argumentando que o projeto altera uma série de legislações diferentes e de várias categorias e, por isso, o debate é mais extenso. O Fórum pediu 30 dias de negociação. O governo não se comprometeu com essa reivindicação e insiste em votar na semana que vem.

O PL 370 cria mais barreiras para que servidores consigam usufruir da licença remuneratória e, em caso de aposentadoria por invalidez, não consiga ter o beneficio assistencial. Também congela várias gratificações, já que o projeto revoga os artigos das leis que indexa o reajuste da data base ao reajuste da gratificação. O PL ainda retira direitos dos professores que atuam em penitenciárias.

Para o FES o projeto passará sem dificuldades na Alep. Informações indicam que há outras propostas prontas com conteúdo ainda mais devastador aos direitos dos servidores para serem encaminhados a ALEP. E só a mobilização das categorias pode impedir mais esse ataque;

Este cenário coloca aos sindicatos a necessidade de organização e o esforço para que esse movimento tenha a adesão das categorias para ganhar expressão  nos espaços de decisão do governo.

Por Gustavo Henrique Vidal para o Fórum dos Servidores (texto e foto)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *