Gritos do “Fora com a reforma” e “Fora Temer” ecoam pelo país

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Mudanças na previdência podem ser votadas ainda em 2017

Não foi a greve geral que todos esperavam, mas teve luta por todo o país neste dia 5 de dezembro. Enquanto Michel Temer acelera as negociatas com os partidos para reunir os votos necessários para aprovar a chamada Reforma da Previdência no Congresso, trabalhadoras e trabalhadores de todo o país e de todos os seguimentos foram às ruas.

Em Curitiba a mobilização aconteceu na Praça do casal nu, no centro da cidade. Os manifestantes, a maior parte de servidoras/es públicos federais e estaduais, não perderam a chance de dialogar com a população sobre os perigos trazidos pelas possíveis mudanças na Previdência. Também foi feito o debate sobre os demais ataques contra os direitos das/os trabalhadoras/es.

Outra cidade do Estado onde houve manifestações foi Londrina. Lá o Coletivo de Sindicatos da cidade, que envolve tanto servidores públicos como trabalhadores da iniciativa privada, fez um ato que começou no calçadão e percorreu as ruas do centro da cidade. Como na capital, a linha dos protestos era o Fora com a reforma e o Fora Temer.

Falácia – O governo segue investindo forte em publicidade para tentar convencer a população de que tornar a aposentadoria mais difícil é bom. Serão 100 milhões de reais em propaganda sem falar na verba que é liberada para as/os deputadas/os gastarem em seus redutos. Acabar com a Previdência é prioridade para esse governo, que deve apostar todas as fichas na semana que vem. De acordo com os analistas, se ficar para 2018 vai ser muito difícil a reforma passar.

Adesão – Cidades como Belém, Aracaju, Mossoró, Goiânia, Fortaleza, São João Del Rei, São Luiz, Criciúma entre tantas outras pelo país afora também contaram com manifestações. São Paulo contou com o ato mais expressivo, realizado na Avenida Paulista no final da tarde. No mesmo horário, uma segunda manifestação aconteceu em Curitiba, no Calçadão da Rua XV, organizada pela Central Única dos Trabalhadores – CUT. Ainda na região da capital paranaense, os bancários amanheceram no aeroporto para dialogar com os passageiros e interceptar os deputados federais que embarcavam para Brasília.

Por Marcio Mittelbach
Terra Sem Males

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *