Hora de saber quem ‘apoia não importa a maneira’

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

A frase da música que marcou o acesso do Paraná Clube à série A depois de 10 anos parece não se aplicar à parte da torcida paranista. Se na estreia em casa, diante do Corinthians, havia 15 mil torcedores na Vila Capanema, no último jogo, diante do América, apenas 3.200 pagantes viram o tricolor conquistar sua terceira vitória na Série A.

É evidente que não se pode olhar para esse dado sem analisar o desempenho do Clube dentro de campo, que uma campanha menos frustrante estimularia mais o torcedor. Mas não é essa a ideia que vendemos ao país em 2017. Só existe uma ‘maneira’ de manter o tricolor na série A, é a união time e torcida.

Mais importante do que achar os culpados pela dificuldade em decolar na competição é nos mantermos vivo nela. Restam vinte e dois jogos. Deixar de apoiar o time por conta dos mal resultados não é sinal de protesto, é sinal de que parte da torcida ainda não se tocou que há pouco tempo atrás estávamos à beira do abismo, que ainda leva tempo para a reconstrução por inteiro.

A tabela reservou uma bela sequência para o torcedor que anda afastado dos jogos: dois domingos seguidos de jogo na Vila Capanema às 16h, contra Ceará e Botafogo. Diante da necessidade, a diretoria se mexeu e resgatou a campanha que impulsionou o tricolor em 2017: mulheres e crianças com até 11 anos não pagam.

Texto: Marcio Mittelbach

Foto: Joka Madruga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *