Jornaldo: entre nudes, canetas, cambalhota e calor

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Que calor da porra…

Foi isso que eu respondi quando me perguntaram sobre a primeira rodada do Sindijorzão 2017 (8º Torneio de Futsal do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná).

Tudo quente.

Até o vento do ventilador do bar era quente. Teve time que jogou de colete.

Eu lembro que o ‘jujú’ falou pra mim: “a sorte que tem a porta do lado da quadra, pra dar uma refrescada”.

Tava foda.

Tão quente que eu só tenho flashback daquele dia…

Hehehe

Lembro de um desmaio! Uma goleira desmaiou de calor! Ela e o juiz passaram por mim. Eu estava no térreo, onde estava menos quente. Ele a carregava no colo. Ficou tudo bem.

É massa assistir o Sindijorzão. Ver jornalistas em ação de uma outra maneira.

Enquanto eu via aquela galera, pensava (já aposentado): será que eles se preocupam com a reforma da previdência?

Aff… que merda… não sei por que eu estou com esse papo de reforma da previdência na cabeça. Tem um motivo… mas não consigo lembrar.

Bom… o fato é que hoje, na véspera da segunda rodada do torneio, depois do carnaval e do atletiba, ainda sobraram algumas lembranças.

É sempre assim.

Quando eu acho que já vi tudo nessa vida, SEMPRE, o Sindijorzão me prova que estou errado.

Vê se pode!

Eu já tinha comido dois espetinhos de frango. Tomado umas béras. Aí fui dar uma mijada.

No banheiro, me deparei com a visão do inferno. Atletas e dirigentes de algumas agremiações tiravam fotos nus. Me disseram que era pra fazer um book e ajudar uma Ong.

Não acreditei. Fui investigar. Logo descobri que se tratava de um ritual da equipe do Catadão e do Che Garotos. Não me passaram mais detalhes. Ainda por cima me expulsaram do banheiro.

Por falar em Che Garotos. Lembro de uma cena lamentável. Um cidadão cujo codinome é JC Lugano resolveu dar uma de Daiane dos Santos e nos presenteou com uma bela de uma cambalhota.

Infelizmente Júlio Cambalhota machucou o tornozelo (não foi na cambalhota) e vai desfalcar o Che por tempo indeterminado.

Desejo força. Segundo a diretoria do Che, o jogador vai precisar de ajuda psicológica pra enfrentar esse momento difícil.

Por falar em ajudar, descobri que alguns atletas precisam de tratamento.

Esse problema foi personificado num tal de Fafá.

Descobri também que ele tem esse apelido devido a sua potencia vocal. E mesmo usando isso a seu favor, com gritos e urros quando estava fora de quadra, seu agudo não conseguiu ofuscar a caneta que levou.

Não adiantou apontar o dedos pra cagada dos outros. Toda crônica esportiva (ou seja, eu) definiu O drible como o destaque da rodada.

O lance aconteceu quando um jogador do Catadão aplicou uma linda caneta no experiente Fafá, que ficou com cara de desespero.

Fafá deu até aquela olhadinha pro bar, na torcida pra que ninguém tivesse visto. MAS EU VI, FAFÁ. EU VI.

Eu vi também que não consigo acompanhar quatro jogos simultâneos, beber e ofender as pessoas. Tudo ao mesmo tempo.

Tem gente que consegue fazer várias coisas diferentes ao mesmo tempo. Tipo o Kássio, que chega 20 minutos atrasado e acaba artilheiro do jogo.

Aí depois ele vira mesário da partida seguinte. Já na outra disputa, ele tem uma ascensão meteórica e se torna árbitro.

Depois de tudo isso. Fez uma pausa pra comer uns salgados e tomar umas béra. Corneteou uns times, jogadores e, logicamente, o juiz.

Isso não bastou e Kássio aceitou o desafio de apitar outra partida, mesmo correndo o risco de ser xingado por ele mesmo.

Nem triatleta faz isso. Parabéns pela solidariedade. O Sindijorzão agradece.

Aliás, o Sindijorzão é diferente.

Só no Sindijorzão você vê quatro jogos simultâneos. QUATRO. É jogo feminino. É jogo masculino. Só partida pegada. Quente. E tem um bar que vende cerveja. Isso faz toda diferença.

Ah…

Agora lembrei…

Lembrei o motivo de ter falado da previdência.

É que na próxima semana vai começar o Sindijorzão dos coroas. Dos caras da minha idade. Da galera dos anos 60. Galera aposentada.

Uma dúvida.

Será que tem algum jornalista aposentado no torneio? Olha, só digo uma coisa; e com certeza: se passar essa reforma da previdência, nunca haverá um Sindijorzão com algum aposentado em quadra.

Então galera, chega de papo e até amanhã. Boa sorte a [email protected] nesta segunda rodada do Sindijorzão 2017. Que o torneio seja o melhor. Na paz. Sem briga…

Ele já é o maior. O recordista de times.

De quebra, pra finalizar, quero revelar que estou negociando com a organização pra fazer a transmissão das partidas via Youtube. Tudo pra eu poder ficar na minha casa, no ar condicionado.

É isso.

Abraços do Jornaldo.

Um comentário em “Jornaldo: entre nudes, canetas, cambalhota e calor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *