“NOSSA AÇÃO REPRESENTOU O QUE MILHARES DE JOVENS DESEJARIAM FAZER”

Compartilhe esta notícia.

Thiago Ferreira (Pará) é militante do Levante Popular da Juventude e diretor da atual gestão da União Nacional dos Estudantes (UNE). No final da tarde de ontem (04 de novembro), ele foi detido pela Depol, a polícia legislativa da Câmara Federal, em Brasília, junto com a também militante do Levante Carla Bueno, após jogarem umas notas de dólares falsas na cara do presidente da casa, o deputado Eduardo Cunha.

Após a ação, Thiago conta que foram dezenas de ligações e entrevistas. “Muitos e-mail e muitas mensagens de força e coragem, mensagens de carinho. Muita gente vindo falar que nossa ação representou o que milhares de jovens desejariam fazer. Isso era o que queríamos, poder representar o sentimento e e a expectativa da juventude”.

Hoje ele concedeu entrevista ao Terra Sem Males para contar um pouco sobre a ação:

Terra Sem Males – Em que circunstâncias você e sua colega foram detidos ontem em Brasília?

Thiago Ferreira (Pará) – Ontem fomos alvo da seletividade do presidente da Câmara, sr Eduardo Cunha. Minutos antes de fazermos nossa intervenção, um grupo pró-impeachment protagonizou uma briga, ninguém foi sequer detido. Na nossa intervenção, que jogamos notas de dólar com o rosto do deputado, em referência aos 5 milhões de dólares depositados em contas secretas na Suíça, fomos arrastados com muita violência e brutalidade.

Por quais procedimentos vocês passaram na polícia?

Lá na DEPOL (Delegacia de Polícia Legislativa), nos foi negado o contato com nosso advogado, até que os deputados e senadores solidários intervieram e nos garantiram este direito. Fomos pressionados psicologicamente, e ouvimos lá dentro que partiu do próprio Cunha o pedido para que fôssemos detidos e enquadrados. Não fomos algemados, mas fizeram esta ameaça. À noite fomos liberados e voltamos para casa.

Por que somente vocês dois foram detidos? Foram identificados como lideranças do Levante Popular da Juventude?

Nós dois protagonizamos a ação, os seguranças nos viram jogando as cédulas e nos identificaram. Nos levaram a mando do Eduardo Cunha. Os demais companheiros estavam nas demais tarefas, de segurança e comunicação.

Como foi o planejamento e a ação promovida pelo Levante?

A ação de ontem é o que chamamos de “escracho” que é uma forma de denúncia pública.”Enquanto não houver justiça, haverá escracho popular”. Fizemos o mesmo em 2013, contra os torturadores da ditadura, ainda impunes.

Qual a avaliação do Levante Popular da Juventude sobre o desfecho do escracho?

Nossa avaliação foi positiva. Nossa intenção era romper o cerco da grande mídia e a ação saiu em todos os jornais e telejornais. Foi um ato que pretendeu chamar a atenção para a luta do dia 13 de novembro, no Ato Nacional “Fora Cunha”. Muita gente vindo falar que nossa ação representou o que milhares de jovens desejariam fazer. Isso era o que queríamos, poder representar o sentimento e e a expectativa da juventude.

Acesse aqui o informe no blog do Levante Popular da Juventude sobre o ato

Acesse aqui a foto de Thiago sendo arrastado por seguranças da Câmara, publicada pela Folha de S. Paulo

Thiago Ferreira (Pará) já publicou um conto no Terra Sem Males. Acesse aqui para ler.

Por Paula Zarth Padilha
Terra Sem Males

anuncio-tsm-posts

2 comentários em ““NOSSA AÇÃO REPRESENTOU O QUE MILHARES DE JOVENS DESEJARIAM FAZER”

  • 9 de novembro de 2015 em 10:41
    Permalink

    Parabéns para esses jovens.
    Fora Cunha!!!

    Resposta
  • 5 de novembro de 2017 em 15:22
    Permalink

    mensagem do dia

    Nunca permita que alguém corte suas asas, estreite seus horizontes e tire as estrelas do teu céu. Nunca deixe seus medos serem maiores que a tua vontade de voar. O valor da vida está nos sonhos que lutamos para conquistar.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *