Paraná: Operação Verão no Hospital Regional do Litoral promete ser a mais caótica da história

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

A privatização do Hospital Regional do Litoral (HRL) naufragou

Medicamentos, saco de lixo, sabonete para dar banho em pacientes, alimentos especiais, sal, lâmpadas, copo descartável, fita isolante, fio elétrico, tinta. São exemplos de materiais que faltam no HRL, em Paranaguá.  Tem ainda a falta de profissionais, especialmente na enfermagem. Outro agravante é o não funcionamento de elevadores, impressoras e aparelhos de ar-condicionado.

É dessa forma que o único hospital do Litoral irá atender um público que pode ultrapassar os dois milhões de habitantes durante o reveillon. A Operação Verão, que sempre apresentou problemas, começa nesta quinta-feira, 21/12, e promete chegar ainda perto mais do caos que já vive o Hospital sem a população flutuante que a temporada traz. Mas o que mudou esse ano? O Hospital não é mais administrado pela Sesa – Secretaria de Estado da Saúde – e sim pela Funeas – Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Paraná.   

A empresa, que graças à lei 17.959 de 2014 ficou autorizada a assumir a administração de unidades de Saúde públicas, toma conta do HRL, do CHR, em Curitiba, e do HRG, em Guaraqueçaba. A promessa da gestão Richa era a de que tal repasse iria qualificar o funcionamento nas unidades próprias. Para isso, perto de R$ 98 milhões foram destinados à Fundação só em 2017. Mas o objetivo está longe de ser atingido. Mesmo com o reforço de pessoal que a Operação Verão vai receber, o HRL deve viver uma de suas temporadas mais problemáticas.

Ação sindical – Há meses o Sindicato dos Servidores da Saúde – SindSaúde –  tem observado em suas visitas os trabalhadores do HRL e constatou que a situação só faz piorar. De acordo com os trabalhadores, desde que a Funeas assumiu, a lógica para a compra de materiais e insumos é a mesma dos hospitais privados. Tudo é controlado de forma excessiva para fazer economia. Nada contra poupar, desde que esse procedimento não gere estresse para equipe de trabalho e nem riscos para os pacientes. É essa “economia” que tem feito com que o Hospital fique meses sem materiais básicos.

Na última quarta-feira, 21 de dezembro, o Sindicato fez a primeira de muitas mobilizações que serão feitas com a população que estará no Litoral. A ideia é alertar para o grau de vulnerabilidade por que passa o HRL e automaticamente as vidas que dele possam depender.

Miséria – O governo anunciou a destinação do valor de R$ 4 milhões extras para os municípios se virarem diante do aumento na procura por atendimento SUS. Se pensarmos que a população vai passar dos dois milhões, é como se cada habitante recebesse R$ 2 em recurso, uma migalha para um Estado que se diz com as contas saudáveis.

Por Marcio Mittelbach, SindSaúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *