Paranaenses se articulam em defesa da Petrobrás

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Foto: MAB

Na última quinta-feira (06/08), em encontro de lideranças do Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB, em Curitiba, dirigentes do Sindicato dos Petroleiros PR/SC, da APP Sindicato e Líder da oposição na Assembléia Legislativa debatem conjuntura e apontam defesa da Petrobrás como principal tarefa.

O deputado estadual e presidente da Comissão de Direitos Humanos do Paraná, Tadeu Veneri ressalta que “desde que o Petróleo passou a ser uma fonte de energia de grande valor para o capitalismo, as guerras e as disputas se intensificaram. Nós enquanto representantes da população, temos a obrigação de defender a riqueza brasileira. É a Petrobras quem dará garantia de crescimento e desenvolvimento para o Brasil”.

A Diretora da FUP e do Sindipetro-PR/SC, Anacélie Azevedo, além de trazer elementos mais técnicos sobre o petróleo, também salientou as disputas que existem dos setores conservadores para privatizar a Petrobras principalmente para controlar o Pré-Sal. Também falou da importância de manter a Petrobrás como operadora única na área do pré-sal, rejeitando o entreguismo do projeto de lei PLS131-215 do Senador José Serra (PSDB-SP).

O presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão, enfatizou a importância dos movimentos e as centrais sindicais estarem juntos na luta contra a ofensiva da direita, seja para defender a Petrobras, seja para na luta de resistência e garantia de direitos. Professor Hermes também trouxe elementos sobre o massacre dos professores no dia 29 de abril em Curitiba. Comparou o ocorrido com os bombardeamentos atômicos das cidades deHiroshima e Nagasaki. “Tudo é baseado em escolhas, no Paraná, o governador Beto Richa, mostrou sua escolha e a que interesses ele serve”.

Segundo Nivea Diogenes (da coordenação do MAB), os projetos de barragens também representam uma grande ameaça no estado.

“Temos o desafio de consolidar o movimento no estado, pois são centenas de usinas projetas no Paraná. Este modelo energético não promove desenvolvimento, ele é uma fábrica de injustiças, sociais, ambientais e econômicas. No Paraná a tarifa de energia aumentou mais de 100% nos últimos anos”.

Acompanharam a reunião de lideranças o prefeito de Formosa do Oeste José Roberto Coco, o Coquinho, além da vice-prefeita de Quarto Centenário Cida Bugno e o assessor do Deputado Professor Lemos, Lucas Geffer.

Fonte: Movimento dos Atingidos por Barragens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *