Páscoa da partilha: famílias do MST doam 5 toneladas de alimentos e 600 litros de leite

Compartilhe esta notícia.

Ações ocorreram nas cidades paranaenses de Catanduvas e Congonhinhas e chegaram a bairros da periferia.

Por Setor de Comunicação e Cultura do MST-PR | Foto: Daniel Rodrigues

Enquanto a pandemia da Covid-19 segue em sua fase mais alarmante no Paraná, com maior número de mortes e filas por vagas em UTIs, a população menos favorecida segue sem qualquer auxílio emergencial por parte do governo federal ou estadual. Em solidariedade com quem passa por dificuldade de garantir alimento neste período, camponesas e camponeses do Paraná doaram 5 toneladas de alimentos e 600 litros de leite a moradores de periferias urbanas, durante o feriado da Páscoa.

No dia 2, sexta-feira, as doações foram organizadas pelo acampamento Nova Semente, de Catanduvas(PR), oeste do Paraná. Ao todo, foram doadas 2,5 toneladas de alimentos livres de agrotóxicos. Entre os itens das cestas estava feijão, mandioca, chuchu, abóbora, cheiro verde, banana, dentre outras variedades. As famílias Sem Terra também produziram e embalaram 100 ovos de chocolate, entregues especialmente para as crianças das comunidades.

Já no sábado (3), 2,5 toneladas de alimentos e 600 litros de leite integral foram doados pelos assentamentos Ho Chi Minh, Rosa Luxemburgo, Carlos Lamarca, e pelo acampamento Carlos Marighella, ambos de Congonhinhas, Norte Pioneiro. A diversidade de itens levava arroz, feijão, frutas, verduras e legumes, entre outros alimentos. Pastores evangélicos da cidade também participaram da campanha de doações.

Solidariedade para enfrentar a pandemia 

Esta não é a primeira vez que estas comunidades se mobilizam para partilhar os frutos de suas produções neste período de pandemia e de aumento da crise econômica do país, agravadas pela política genocida do governo Bolsonaro. Desde abril de 2020, mais de 533 toneladas de alimentos foram partilhadas em todo o Paraná, com participação de milhares de agricultores e agricultoras da Reforma Agrária. Parte destas famílias Sem Terra ainda luta para garantir o direito a permanecerem nas áreas onde moram, produzem alimentos e garantem condições mais dignas de vida.

As iniciativas fazem parte da campanha nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em apoio a quem enfrenta a fome neste contexto de pandemia. No Brasil, o total passa das 4 mil toneladas de alimentos.

Para além dos alimentos in natura e beneficiados, cerca de 50 mil marmitas já foram produzidas e doadas a pessoas em situação de rua e moradores de ocupações urbanas de Curitiba. A ação ocorre toda semana desde maio de 2020, por iniciativa do coletivo Marmitas da Terra, coordenado pelo MST. Em Londrina, mil refeições foram doadas por camponesas durante a semana do Dia Internacional da Mulher, em março deste ano.

Ao todo foram mais de 100 ações de solidariedade, que partiram de 52 acampamentos, 121 assentamentos, 20 unidades de produção e comunidades da agricultura familiar, cooperativas e sindicatos de trabalhadores rurais. Comunidade de pelo menos 80 municípios, de todas as regiões do estado, se mobilizam para realizar doações.

As doações chegaram a famílias de bairros de periferias urbanas, ocupações urbanas, hospitais públicos e Santas Casas, lares de idosos, associações de moradores e de catadores, abrigos, pessoas em situação de rua e comunidades indígenas.

Abril Vermelho

A semana do Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, 17 de abril, também será marcada por ações de solidariedade em todo o estado. A data foi criada em memória aos 21 trabalhadores Sem Terra assassinados no que ficou mundialmente conhecido como massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, em 1996. Em breve serão divulgadas as agendas de mobilização em cada região do Paraná.

Somado ao gesto de solidariedade, as iniciativas cobram o impeachment do presidente Bolsonaro, por agir de forma desastrosa e negligente ao longo de toda a pandemia, com políticas genocidas durante a pior crise sanitária da história do país. As ações também cobram o direito à vacinação já para toda a população e ao auxílio emergencial de R$ 600 reais às pessoas que estão sem renda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *