Trabalhadores em Movimento | Ato de educadores do Paraná recepciona governador Beto Richa

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Professores e funcionários das escolas públicas estaduais realizam ato em frente à Assembleia Legislativa

O Ato Estadual em defesa da Escola Pública abriu os trabalhos da Assembleia Legislativa do Paraná em 2018 na tarde desta segunda-feira, 5 de fevereiro. Os professores e funcionários de escola se mobilizaram em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba, sede do governo do Paraná, para denunciar que os servidores públicos estaduais estão com salários congelados desde 2016.

Durante a manifestação, o professor Hermes Leão, presidente da APP Sindicato, entidade que organiza o movimento, destacou que o ato também é contra a redução de salários dos professores temporários (PSS), contra a redução de jornada da hora-atividade e as distorções na distribuição de aulas; contra o fechamento de escolas e redução de turmas; e em defesa do direito de greve dos trabalhadores, pois o governo anotou falta em dias de greve, resultando em corte de salário e prejudicando os trabalhadores na progressão da carreira. São mais de 50 itens na pauta, aprovada coletivamente em assembleia da categoria que designou um calendário de lutas para 2018.

Hermes discursou chamando os deputados estaduais para a responsabilidade de fiscalizar as ações do governador, remetendo às denúncias da chamada Operação Quadro Negro, que investiga desvio de recursos na construção de escolas.

Trabalhadores da educação de todo Estado do Paraná protestam para cobrar a imediata correção do salário dos PSS, o pagamento da data-base e a revogação da Resolução que reduz da hora-atividade e limita a retirada das licenças legais, nesta segunda-feira (05), em Curitiba. Foto: Joka Madruga / TERRA SEM MALES

O dirigente também denunciou que o judiciário é conivente com as ações do governador ao fazer julgamentos políticos, e não técnicos, nas ações judiciais que a entidade representa trabalhadores contra a retirada de direitos promovida pelo Estado. “nosso objetivo é colocar para dentro da Assembleia Legislativa do Paraná as ilegalidades que o governador Beto Richa vem cometendo na educação”, destacou Hermes.

“Ficou comprovado que o governo do Paraná não tem nenhum argumentação financeira que justifique o desconto nos salários de qualquer um de nós”, disse o presidente da APP, referindo-se à prestação de contas oficial do ano de 2017.

O Terra Sem Males acompanha a mobilização dos educadores do Paraná e irá disponibilizar mais imagens em breve.

Por Paula Zarth Padilha
Fotos: Joka Madruga
Terra Sem Males

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *