Tucanos querem que professores façam bico

Colabore com o jornalismo independente, compartilhe.

Ao invés de promover concurso público, tucanos adotam fim da CLT e querem professores contratados por aula.         

INVENÇÃO | Os problemas para a falta de profissionais no serviço público são ultrapassados. Graças ao fim da CLT e a ideias “geniais” dos tucanos. No município de Ribeirão Preto, o prefeito tucano  Duarte Nogueira quer regulamentar o bico nas escolas. A ideia é bem simples. Melhor dizendo, simplória. Na ausência do titular, um  profissional seria convidado a dar aula daquele dia via redes sociais. Quem sabe um grande grupo de Whatsapp “bico público Ribeirão Preto”.

NO GPS | Convocado ou convocada, o profissional que substituir a ausência inesperada ou avisada com horas de antecedência, tem 30 minutos para dar ok e mais 60 minutos para dar as caras na escola.

Evidentemente que ao  chegar, o profissional bicão/boia fria terá que se virar com o conteúdo da disciplina do dia e também em dominar a turma que acaba de conhecer.

UBERIZAÇÃO | Mas a oportunidade de emprego sem vínculo empregatício – sacaram o fim da CLT – tem seu quê de charme. Como bons tucanos, tucanaram o trabalho docente precarizado. Logo, a professora de matemática reserva será chamada de “uber teacher” ou “professora delivery”. Não é mentira, o site do PSDB se vangloria em criar uma categoria de profissionais sem vínculo com a escola ou com os estudantes. “Apelidado de “Uber da Educação” ou “Professor Delivery”, a proposta busca resolver o problema da falta de docentes nas escolas”, enaltecem os tucanos.

PNEU FURADO | A proposta parte da mente terceirizada da secretaria de educação Suely Vilela. Ele comenta que os professores estepes devem solucionar as faltas dos profissionais e para cobrir licenças para tratamento de saúde inferiores a 30 dias. Ora, nesses casos, as prefeituras podem adotar outros modelos. Um deles é realizar concurso público que preveja os afastamentos. Em Curitiba, por exemplo, existe a figura do “professor volante”, que é um profissional concursado da rede que é deslocado justamente na ausência maior do profissional titular da escola. A vantagem é a proximidade com o planejamento pedagógico.

TANQUE VAZIO | Outro opção, como é adotada no governo do Paraná, é o professor PSS. Esse profissional é contratado no início do ano, sem concurso e por um método mais simples, justamente para suprir a demanda identificada pela secretaria de educação. Se bem que por aqui, Beto Richa (PSDB) não tem pagado direitinho essa turma.

0800 | De todo jeito, quem sabe a moda pega? Daqui a pouco vão querer chamar enfermeiro por whatsapp, guarda municipal por sinal de fumaça, assistente social por lambe lambe grudado no poste.

PRÓXIMA PARADA |Numa dessas, a população não gosta da ideia e cria o “uber secretariado”, trocando as pessoas a cada hora que derraparem numa proposta. Porque do jeito que a coisa anda, tem muito político, principalmente prefeitos, fazendo bico na gestão de nossas cidades.

________
Manoel Ramires
Pinga fogo
Terra Sem Males

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *