1ª Parada LGBT da Ilha do Mel é adiada em possível ato de homofobia

Compartilhe esta notícia.

Em virtude de uma decisão judicial de última hora, a 1ª Parada LGBT da Ilha do Mel que aconteceria neste final de semana foi cancelada e terá nova data definida em breve.

A organizadora do evento e proprietária da Pousada e Restaurante Aninha, Ana Cristina, mostrou-se decepcionada com a decisão em uma postagem no facebook: 

Decepção me define! Um mix de impotência e desolação! Hoje pela manhã (sexta-feira) tive a visita dos Bombeiros que vieram fazer vistoria. Nesta visita me falaram que havia irregularidades onde não me permitiram nem defesa. Por fim às 17 horas fomos interditados. O evento, a pousada e o restaurante, sem sequer ter tempo hábil de sanar os problemas apontados, mesmo resolvendo os problemas indicados, já era final de semana e mais nada poderia ser feito.”

A APPAD LGBTI e o Dom da Terra AfroLGBTI de Curitiba também manifestaram sua preocupação com a ação às vésperas da realização do evento e afirmaram que já estão acompanhando a situação com as autoridades responsáveis para verificar o possível ato de homofobia.

Siamese, um dos artistas que participariam do evento, já estava se dirigindo para a Ilha quando soube do ocorrido. Já a mestre de cerimônias da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a drag queen Tchaka, já estava no local e foi surpreendida com o cancelamento. Uma das irregularidades afirmadas pela fiscalização é a falta de alvará de funcionamento da Pousada e Restaurante. No entanto, o alvará existe e está em dia e regularizado.

A organizadora do evento lamenta o ocorrido e afirma que a Parada irá acontecer em data a ser definida. E ainda convida a todos para levarem sua alegria e suas bandeiras do arco-íris em um Ato Contra a Homofobia a ser realizado no domingo, durante o passeio marítimo.

No sábado (16) pela manhã uma barqueira de Pontal do Paraná informou que autoridades policiais impediram o embarque de pessoas para participarem do evento na Ilha. Estas informações ainda não foram confirmadas, mas a APPAD pede que quem tiver o embarque impedido por algum motivo, entre em contato pelo telefone 41-30445151, faça a denúncia de crime de preconceito no Disque 100 e registre um boletim de ocorrência na delegacia de Pontal do Paraná.

Fonte: APPAD

Foto: Joka Madruga/Terra Sem Males

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *