Agências do HSBC permanecem fechadas em Curitiba nesta segunda com protesto de bancários

Compartilhe esta notícia.

Por Paula Zarth Padilha
Terra Sem Males

Nesta segunda, 29 de fevereiro, 18 agências bancárias do HSBC em Curitiba estarão fechadas durante todo o dia. “Queremos que o banco nos diga onde foi parar o resultado que produzimos”, afirma Cristiane Zacarias, que é dirigente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e coordenadora nacional da COE HSBC , representação dos trabalhadores nas negociações com o banco.

O ato é um protesto nacional pois, de acordo com Cristiane, o HSBC não divulga o balanço financeiro aqui no país, alega para os funcionários não ter acesso às informações sobre o lucro no Brasil e nem autorização de Londres para comentar. “No entanto, há uma nota dizendo o que o pagamento da PLR não acontecerá, embora a gente saiba que os executivos devem receber seus bônus normalmente. Isso é revoltante”, explica a dirigente.

No dia 23 de fevereiro, o HSBC anunciou em comunicado interno que não fará o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR 2015), nem do Programa Próprio de Remuneração (PPR Administrativo). A justificava para o não pagamento foi resumida a “considerando o resultado do Grupo HSBC no Brasil”. No dia anterior, o HSBC havia divulgado seu balanço financeiro global, apresentando lucro de US$ 13,52 bilhões.

Com prejuízo de R$ 549 milhões na filial brasileira em 2014, o HSBC Brasil registrou lucro de R$ 31,8 milhões no primeiro semestre de 2015, após anúncio de venda para o Bradesco por R$ 17 bilhões. “Solicitamos reunião com o banco, mas ele se nega em atender. Contamos com a união nacional dos bancários do HSBC para defender seus direitos, que os clientes entendam que nosso protesto é legítimo, pois após quase 20 anos no país, o HSBC vai embora dizendo ter tido prejuízo, e ao mesmo tempo levando no bolso R$ 17 bilhões”, finaliza Cristiane Zacarias.

Na semana passada, dia 24 de fevereiro, os bancários já haviam paralisado as atividades nos centros administrativos do HSBC em Curitiba, que é a sede do banco no Brasil. Mesmo com todas as manifestações, os representantes do HSBC se recusam a agendar reunião com o Sindicato para negociar o pagamento da PLR, que tem seus valores estabelecidos nas campanhas salariais unificadas da categoria bancária, com abrangência nacional.

Enquanto os bancários do HSBC aguardam a definição da venda do HSBC ao Bradesco pelo Cade e protestam contra o anúncio do não pagamento da participação nos lucros, trabalhadores dos demais bancos privados, como Itaú, Bradesco e Santander, receberam na semana passada valores majorados de PLR, já que os recordes de lucros ultrapassaram o valor mínimo estabelecido pelo acordo: a regra básica é distribuir no mínimo 5% do lucro líquido apresentado pelos bancos. O Itaú, por exemplo, que lucrou R$ 23,8 bilhões em 2015, após pagar o teto da PLR para seus funcionários, distribuiu somente 4,3% de seu lucro.

anuncio-tsm-posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *