Bancários do Paraná lutam contra discriminação

Compartilhe esta notícia.

Lançamento da campanha “Não precisa ser para sentir” pauta debate da diversidade em momento crucial.

“Não precisa ser mulher, negro, LGBT ou PCD para sentir a dor do preconceito e da discriminação que essas pessoas sofrem. Todos têm o direito à felicidade. E a luta por uma sociedade mais justa, igualitária e feliz é de todos nós.” Foi com essas palavras que a secretária da Mulher da Contraf-CUT, Elaine Cutis, fez o lançamento da Campanha Nacional Contra a Discriminação em Curitiba, nesta quinta-feira, 26 de outubro.

Com o slogan “Não precisa ser para sentir”, a campanha foi idealizada pelo Coletivo de Gênero, Raça, Orientação Sexual e Trabalhadores com Deficiência (CGROS) e pretende valorizar a condição humana de cada indivíduo. “Nosso objetivo é retirar o debate do gueto e expô-lo a toda sociedade. Desejamos convencer os não-convencidos da importância dos direitos humanos. Mais do que isso, queremos que cada um se aproprie das ideias desta campanha e a torne um símbolo da luta contra a discriminação”, acrescentou Elaine. 

O lançamento foi realizado pela Federação dos Trabalhadores em Empresas de Crédito do Paraná (Fetec-CUT-PR) e reuniu dirigentes sindicais do estado, no Espaço Cultural e Esportivo do Sindicato dos Bancários e Financiários de Curitiba e região. Para o bancário e secretário-geral da CUT-PR, Márcio Kieller, a campanha surge em um momento muito oportuno: “Em uma conjuntura de retrocessos, esvaziamento das políticas sociais e avanços da criminalização das minorias, é fundamental que este debate seja pautado”, disse.

“Nós sabemos que nos momentos de crise, as questões das mulheres, negros, LGBTs e PCDs são as primeiras a serem deixadas de lado. E é exatamente por isso que o tema se torna estratégico”, relembrou Cristiane Zacarias, secretária de Cultura do Sindicato. “Nossa missão é levar o debate para além do ambiente sindical”, acrescentou. “Trata-se de debater o modelo de sociedade que queremos: você quer uma sociedade excludente, intolerante e com menos direitos?”, questionou Mauro Salles Machado, secretário de Políticas Sociais da Contraf-CUT. “Nos direitos humanos, o principal direito é ter direitos!”, finalizou.

O presidente da Fetec-CUT-PR, Júnior César Dias, destacou que, com o esvaziamento dos programas sociais que vem acontecendo, as minorias são os principais penalizados. “Nós temos uma parcela de responsabilidade na construção da resistência à retirada de direitos”, afirmou. “O mais importante desta campanha é que nós saímos do discurso para encampar mais uma luta, com políticas afirmativas. Ao regatar valores humanos, nos colocamos no lugar do outro e percebemos que se trata de uma luta de todos”, concluiu Elias Jordão, presidente do Sindicato.

“Muito mais que apenas para os bancários, esta campanha se estende para toda a sociedade. Precisamos mudar a forma como se enxerga o outro. Precisamos sentir mais; se importar mais; resistir, lutar, informar e reagir”, resumiu Daniele Bittencourt Azevedo Perich, secretária de Políticas Sociais da Fetec-CUT-PR.

Por sensibilidade e empatia

A advogada e representante da Rede de Mulheres Negras do Paraná, Cibelle Santos de Oliveira, iniciou sua fala destacando que é preciso admitir que existe racismo no Brasil e que todos os brasileiros são responsáveis por combate-lo. Segundo ela, 90% da população afirma conhecer alguém racista, porém, 96% diz não ser racista. Enquanto mulher negra, Cibelle relatou várias situações de discriminação que sofre cotidianamente, como ser vigiada quando entra em mercados e lojas ou ser desqualificada por usar o turbante, adereço símbolo de resistência e empoderamento.

“Mais do que apoio, nós precisamos lutar juntos contra o racismo e, principalmente, contra o racismo cordial – tipo de discriminação que se esconde em brincadeiras, ditos populares e piadas. Espero que esta campanha seja capaz nos sensibilizar e de nos fazer compreender que não existe inferioridade entre os seres humanos, independente de qualquer condição”, resumiu.

O também advogado Lucas Bulgarelli, especialista nas causas LGBT e membro da Crivelli Advogados Associados, destacou a importância de discutir diversidade no atual momento político, permeado por reformas e retrocessos. “Pode parecer que não se trata de um assunto prioritário, mas é preciso entender o que ele significa na conjuntura atual. A polarização política dos dias de hoje – nome moderno para a luta de classes – revela um projeto muito maior de retirada de direitos”, afirmou. “Discutir diversidade é compreender que estamos lutando contra um determinado grupo que há muito tenta nos tirar a democracia”, completou.

Por meio das peças da campanha, Bulgarelli reafirmou a necessidade de respeitar toda e qualquer diferença, colocando-se no lugar do outro. “Não é possível que em 2017 as pessoas ainda façam ou riam de piadas racistas, misóginas ou homofóbicas. Não se trata de ser politicamente correto, mas de respeito e empatia”, finalizou.

Também participaram do lançamento da campanha o dirigente sindical Neil Emídio Jr., membro do Coletivo Nacional de Gênero, Raça, Orientação Sexual e PCD, Paulo Tharcisio Motta Vieira, dirigente sindical e diretor da Federação Umbandista do Paraná, Giuliana Alboneti, advogada especialista em Direito do Trabalho, feminista e representante da Rede de Mulheres Negras, e Giulia Eloíse Araújo, diretora da União Paranaense dos Estudantes.

Por Renata Ortega/Bancários de Curitiba e Região

Fotos: Joka Madruga/FETEC-CUT-PR

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *