Comunidades do MST doam 2 toneladas de alimentos para aldeias indígenas do Oeste do Paraná

Compartilhe esta notícia.

Alimentos são fruto do trabalho de famílias de camponeses acampados e assentados na região Oeste do Paraná

Foto: Eliana de Oliveira 

Nesta Sexta-feira Santa (10), famílias de camponeses acampados e assentados na região Oeste do Paraná realizaram a doação de 2 toneladas (2 mil quilos) de alimentos para os povos indígenas da etnia Guarani, moradores de reservas localizadas em Guaíra e Terra Roxa. 

A ação faz parte das mobilizações de solidariedade organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Paraná e em todo o Brasil, como forma de ajudar a popular urbana que já sofre os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus. Também contribuíram com a organização da doações em Cascavel as entidades Yvy Rupa, Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e Centro de Trabalho Indigenista (CTI). O vereador Paulo Porto (PT) também participou da ação. 

Armelindo Rosa da Maia é coordenador do MST e produtor agroecológico morador do assentamento Valmir Mota, em Cascavel, e explica a motivação das ações de solidariedade com a população: “Nós entendemos a importância da solidariedade, e nós temos recebido essa solidariedade da cidade em vários momentos da nossa luta, principalmente nos momentos que mais precisamos. E hoje com a posse da terra, mesmo que ainda nos acampamentos, as famílias produzem muitos alimentos e podem doar. Fazemos esse ato solidário porque entendemos que a luta dos povos indígenas é uma luta justa”. 

A conquista da terra permite que agricultores e agricultoras agora possam se solidarizar com que precisa, como conta Oiti Finkler, do assentamento Santa Terezinha, de Cascavel. “Os índios estão na luta pela terra também, e estão com uma demanda maior que a nossa hoje com a alimentação. Muitas pessoas estão com bastante carência, bastante deficiência em alimentação e nós temos o privilégio de poder contribuir com a luta”. 

Para as famílias, esse ato de solidariedade é o que alimenta a esperança e torna o ser humano mais humano. “O sentimento é de partilhar. Nós temos que compartilhar o pouco que temos e ajudar os outros, porque às vezes pode ter, mas não é o suficiente. A gente colabora sim, como pode. Deus ajuda mais pra gente, a agente colabora mais. Não é mesmo?”, disse Maria Madalena assentada na comunidade Valmir Mota há 8 anos.

“Pra gente é uma satisfação poder ajudar. Em tantos momentos a gente foi ajudado também. Em vários momentos da luta teve irmãos que contribuíram com a gente. Por isso pode contribuir nesse momento é uma satisfação”, garante Jamir Luiz Hartmamm, do assentamento Valmir Mota, que está no Movimento Sem Terra desde 2003. 

Participaram do mutirão de arrecadação o assentamento Valmir Mota e os acampamentos 1º de Agosto, Dorcelina Folador e Resistência Camponesa, todos de Cascavel; os assentamentos Sepé Tiaraju e Olga Benário, de Santa Tereza do Oeste; e o acampamento Nova Semente, de Catanduvas.

Ações de solidariedade em todo o estado

A exemplo do que tem ocorrido em vários estados brasileiros, os acampamentos e assentamentos do Paraná estão realizando doações de alimentos em todas as regiões do estado. Nesta terça-feira (7), 5 toneladas de alimentos orgânicos foram doadas pelos acampamentos Maria Rosa do Contestado e Padre Roque Zimmermann, em Castro, e pré-assentamento Emiliano Zapata, em Ponta Grossa. 

Neste sábado, 14 toneladas de alimentos vindos do acampamento Maila Sabrina, de Ortigueira, serão doados a mais de mil famílias de quatro ocupações urbanas da Cidade Industrial de Curitiba, a CIC. Em Londrina, o assentamento Eli Vive vai doar cerca de 7,5 toneladas de alimentos para moradores da zona sul da cidade. 

Além de comida, a Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória (Copavi), localizada no assentamento do MST Santa Maria, em Paranacity (PR), doou 60 litros de álcool 70% para o Hospital Municipal Doutor Santiago Sagrado Begga, na última quinta-feira (2). O álcool será usado pelos profissionais de Saúde do município, que já está em quarentena há cerca de 15 dias. 

No Paraná, 10 mil famílias vivem em 70 acampamentos do MST e cerca de 25 deles enfrentam o risco do despejo. O estado tem  24 mil famílias assentadas, que moram em 369 assentamentos da reforma agrária.

Clique aqui para ver mais notícias sobre reforma agrária.

2 thoughts on “Comunidades do MST doam 2 toneladas de alimentos para aldeias indígenas do Oeste do Paraná

  • 11 de abril de 2020 em 19:58
    Permalink

    O mst não dá nada reparte o que tem. Dar é o excedente.

    Resposta
  • 12 de abril de 2020 em 12:20
    Permalink

    Pra amançar os índios deppisroubatem as terras deles TB.
    Pra começar índio nem precisa da ajuda da gente.
    Eles sobrevivem melhor que nós.

    Resposta

Deixe um comentário para Marcos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *