Deputado Tadeu Veneri entra com ação popular contra reajuste da passagem em Curitiba

Compartilhe esta notícia.

URBS divulgou tarifa técnica que fica abaixo do antigo preço cobrado no transporte de ônibus na capital

O deputado estadual e ex-candidato a prefeito de Curitiba, Tadeu Veneri (PT), entrou com uma ação popular contra o reajuste da passagem de ônibus em Curitiba nesta manhã. O aumento de quase 15% efetivado na segunda-feira (06), de R$ 3,70 para R$ 4,25 foi alvo de protesto que terminou com repressão policial. A URBS divulgou também ontem os itens que compõem a tarifa técnica. Na tabela, o custo fica em R$ 3,66, sendo que 50% desse valor representam “pessoal, benefícios, encargos sociais e contribuição previdenciária sobre receita bruta”.

A ação popular protocolada na Vara da Fazenda Pública de Curitiba na manhã de terça-feira (07) é contra a Prefeitura de Curitiba e o presidente da URBS, José Antônio Andreguetto. Nela, o deputado estadual Tadeu Veneri solicita a redução do valor do transporte coletivo de Curitiba que foi efetuado nessa segunda-feira por meio do decreto municipal 413/2017. Veneri questiona os cálculos apresentados pelos réus e que determinaram o reajuste maior do que o dobro da inflação no último ano, o que traz “prejuízo irreparável aos usuários do serviço de transporte coletivo”.

No pedido, o deputado questiona a transparência dos números apresentados pela Prefeitura de Curitiba que justifiquem a tarifa mais cara entre as capitais brasileiras. “A Prefeitura de Curitiba, ao alegar que existe um déficit financeiro no transporte público, não consegue dar transparência para a população, pois nunca conseguiu demonstrar com dados o balanço real do transporte público”, destaca a ação.

No dia em que reajustou a tarifa, a URBS divulgou os itens que formam o valor da tarifa técnica na capital. 36% do valor é representado por salários dos motoristas e cobradores. Os usuários também pagam a previdência privada do transporte. Isso representa 14,3% da tarifa. Já o lucro das empresas fica em 11,98% por passagem.

O cálculo é alvo do protesto da ação. “A diferença entre o valor cobrado R$4,25 e a tarifa técnica R$3,6653, representa R$0,5847 (cinquenta e oito centavos e quarenta e sete milésimos), por passageiro, o que representa R$432.678 (quatrocentos e trinta e dois mil, seiscentos e setenta e oito centavos) por dia”, destaca.

 

Veneri também questiona a forma como os cálculos foram feitos. Ele anexa relatório do Tribunal de Contas que determinou a redução da tarifa em 2016 e que foi ignorado pela gestão de Rafael Greca. “Isso demonstra que o argumento usado para conceder o aumento, não tem como ser comprovado, pois se problemas nos contratos foram encontrados e não são revistos pelo governo, qualquer decisão posterior fica sem legitimidade e assim só terá como consequência a penalização da população”, reforça.

A ação popular foi protocolada com pedido de tutela antecipada, o juiz que receber a ação tem em até 48 horas para conceder ou não a suspensão do reajuste do transporte em Curitiba.

Protesto e repressão

O aumento da passagem de ônibus foi alvo de protesto em Curitiba. O ato, que começou pacífico na Praça 19 de Dezembro, foi dispersado pela Polícia Militar com bombas e tiros de borracha na altura da 7 de setembro com a Avenida João Negrão. Pelo menos 500 pessoas participavam da manifestação.

A repressão foi justifica depois que mascarados picharam muros e depredaram bancos privados. Para manifestantes, a PM usou de força excessiva contra a maioria do público e não apenas contra quem promovia o quebra-quebra. A PM e a Rotam perseguiram os manifestantes pela Rua Tibagi, na contra mão, até o Terminal do Guadalupe.

________________

Manoel Ramires
Terra Sem Males
Foto: Leandro Taques

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *