Grupo de pesquisa estuda aspectos de precarização social da Reforma Trabalhista

Compartilhe esta notícia.

Professor de economia da Unicamp, José Dari Krein, anuncia articulação transdisciplinar para subsidiar debate sobre consequências da Reforma Trabalhista para além das implicações jurídicas

Na última sexta-feira, 18 de maio, o pesquisador José Dari Krein, professor de economia da Unicamp, esteve no Ministério Público do Trabalho (MPT) em Curitiba ao lado de Maria Aparecida Bridi, professora de sociologia da UFPR, e do advogado Sidnei Machado, também professor da UFPR, para lançamento do livro “Dimensões críticas da Reforma Trabalhista no Brasil” e anúncio da articulação de uma rede nacional que irá dimensionar as consequências sociais das alterações na legislação.

“O livro é resultado de uma provocação do MPT e também uma continuidade de um dossiê sobre a Reforma Trabalhista lançado por um grupo constituído na Unicamp para pesquisa. Nós apresentamos aspectos para acompanhamento dos efeitos e desdobramentos”, explica Dari.

O livro foi motivado por aspectos que incluem o diagnóstico do trabalho antes da reforma e também a criação de subsídios para debater com abrangência e profundidade das consequências dela, incluindo implicações no mundo do trabalho e para o conjunto da sociedade, com abordagem metodológica.

Maria Aparecida Bridi destacou que é uma nova agenda de pesquisa que se abre demonstrando o compromisso da universidade pública de subsidiar e fazer esse debate. Ela afirmou que com a reforma da previdência pautada, as consequências eram perceptíveis, mas as da reforma trabalhista não são. Ela falou sobre a importância de estudos transdisciplinares, com pesquisa em direito, economia e sociologia, considerando que as alterações atingem a todos com a precarização e não somente pessoas com menor qualificação.

“O diagnóstico desse grupo de pesquisa é para promover o debate com a sociedade e construir o contradiscurso de que é terra arrasada, de que não há outra possibilidade”, disse Bridi, sinalizando que o registro e a análise das consequências das alterações trabalhistas poderão pautar futuramente mudanças favoráveis a toda sociedade.

O advogado Sidnei Machado, professor de direito da UFPR, reforçou o convite para que as diversas entidades, como sindicatos, também participem dessa rede de monitoramento que se constitui com o grupo de estudos sobre a Reforma Trabalhista. Ele situou que os impactos sinalizados nesses primeiros meses em vigor denotam indicadores de redução salarial e redução de poder dos sindicatos. “Esse espaço de reconstrução através da pesquisa vai proporcionas ferramentas para a sociedade resistir e recompor novo modelo de proteção social”, estima.

“O neoliberalismo é uma forma de conceber o mundo, não só o mercado de trabalho, e saídas individualistas fragilizam a coletividade”, complementa Dari Krein.

Indicadores dos aspectos sociais da Reforma Trabalhista

Dari Krein elencou indicadores já perceptíveis sobre as alterações sociais promovidas pela Reforma Trabalhista no Brasil. Segundo o pesquisador, não ocorre uma simples mudança de regra, mas atinge o coração da regulação do trabalho com profundidade e abrangência, sob estratégia de inserir o Brasil na regulação financeira mundial.

A população brasileira está inserida numa nova realidade de piora de indicadores sociais, precarização do trabalho, pessoas tem que se submeter a políticas assistenciais mesmo sendo assalariados.

Para quem tem carteira assinada, a flexibilização da jornada interfere na organização da vida social. O estímulo à remuneração variável se viabiliza num cenário em que 30% da renda do trabalhador não está mais incorporada ao salário. As novas regras também dificultam ascensão profissional via PCS.

No Brasil, mais de 7 milhões de trabalhadores estão vinculados a um CNPJ através do registro como Micro Empreendedor Individual (MEI), que tem como consequência a desestruturação das fontes de financiamento da seguridade social.

Outro aspecto, que é uma das condições para a Reforma Trabalhista se viabilizar pelo viés neoliberal é a fragilização das empresas públicas porque elas funcionam como limitadoras do empregador.

A reforma também fragiliza a capacidade de intervenção do Estado e dos Sindicatos, as duas instituições mais atacadas, ao possibilitar acordos com redução de direitos.

Em seis meses de reforma, já está sinalizado que os problemas econômicos não foram resolvidos: o nível de emprego não está reagindo e a subutilização da força de trabalho atinge 27,7 milhões de pessoas que estão trabalhando horas insuficientes (com a nova regra de só receber salário pelo número de horas trabalhadas efetivamente).

Os primeiros resultados da rede de pesquisa nacional sobre a Reforma Trabalhista devem ser apresentados em novembro, quando completar um ano das alterações.

Por Paula Zarth Padilha
Instituto Democracia Popular

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *