Movimentos devem aumentar luta contra o golpe em 2017

Compartilhe esta notícia.

Para grupo, saída de Temer e combate a Reforma da Previdência são prioridades

Por Manoel Ramires
Terra Sem Males

Foto: Casturina Berquó

Movimentos sociais, sindicais e militantes se encontraram no Sindicato dos Servidores Municipais – Sismuc, em Curitiba-PR, nesta segunda-feira (19), para avaliar o ano de 2016 e traçar estratégias comuns para o próximo ano. Para o grupo, esse ano foi desastroso para o povo brasileiro. A começar pelo golpe parlamentar que retirou a presidente Dilma Rousseff e alçou Michel Temer ao poder. Foram enfatizadas também as lutas travadas contra a reforma do ensino médio, que está sob análise no Congresso Nacional, e a PEC da Maldade, que foi promulgada no último dia 15 de dezembro.

“Em um pacote só, foram várias perdas e direitos democráticos. Observamos um crescimento à repressão contra quem está nas ruas combatendo esse governo conservador”, indica Casturina Berquó, coordenadora dos movimentos sociais do Sismuc.

O foco da luta 2017 é seguir denunciando o golpe parlamentar ocorrido neste ano e buscar a manutenção dos direitos. O #foratemer é uma das principais pautas. O grupo entendeu que a atual conjuntura expõe a fraqueza do presidente não eleito Michel Temer. A renúncia ou a derrubada dele é necessária. Ele é acusado de receber R$ 10 milhões em propina da Odebrecht. Em seu governo, seis ministros já caíram, sendo que Temer tem pedido de impeachment por “advocacia administrativa” ilegal, no caso do espigão da Bahia que derrubou Geddel Vieira. Temer também deve ter suas contas de campanha de 2014 avaliadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por Caixa 2.

No entanto, mesmo sem Temer, há o entendimento de que os golpistas agiram por outras vias, como a eleição indireta. A ideia é aprovar a Reforma da Previdência que prejudica toda classe trabalhadora, impondo, por exemplo, 49 anos de trabalho para conseguir aposentadoria integral enquanto mantém regalias aos militares, judiciário e isenções fiscais.

“A ideia é de que as esquerdas se unam mais em 2017, buscando ferramentas para informar e formar a população. O principal risco para o próximo ano é a Reforma da Previdência”, avaliou Giuliano Gomes, coordenador do Sismuc.

One thought on “Movimentos devem aumentar luta contra o golpe em 2017

  • 23 de dezembro de 2016 em 15:44
    Permalink

    Mas sério mesmo para o ano de 2017, é o seguinte:

    O problema é a SUAVE & disfarçada truculência do PeTê… Repare:
    É evidente que o Petismo se utiliza de técnicas das mais brilhantes de publicidade, brilhantes, mas ENGANA-TROUXA…

    Petista apenas & só se preocupa com PSDB e outras ASNEIRAS. Que amor enrustido! Só fala a toda hora e minuto sobre PSDB etc.

    Mas petista nem se lembram do PeTê mesmo… Vejam um único exemplo bem simples:

    ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
    A Semiótica do Coração Valente
    ::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

    Mas quanto a tudo isso o que importa é a publicidade & a propaganda, somada com a baranguice de VELHA — tal qual Dilma. Eis:

    Grave mesmo é isso aqui:

    GOLPE e «CORAÇÃO VALENTE»:

    São clichês publicitários elaborados por 1 publicitário! Tal qual o preso milionário JOÃO SANTANA (o “Feira”…). São tais quais a frase publicitária de iogurte da DANONE, assim, veja:
    «DANONINHO VALE POR 1 BIFINHO». [ou: “CVC pensando em você”].

    Nunca jamais houve GOLPE; assim como DANONINHO jamais VALE POR 1 BIFINHO… E o slogan petista “Coração Valente” é uma frase feliz em termos publicitários (fazer a cabeça via mitologia), mas de um vigarismo extraordinário.

    [e reparem.., tudo isso tem a ver com Educação grosseira do Governo Petista. A pior da América inteira].

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *