Para o MP-PR, Beto Richa (PSDB) mentiu ao afirmar que haviam black blocs entre os servidores no dia 29 de abril

Compartilhe esta notícia.

“Era dever do estado proteger os manifestantes e não tratar todos que ali estavam como criminosos”.

Procuradores e promotores de Justiça apresentam à imprensa os resultados da investigação sobre o massacre do dia 29 de abril. Foto: Joka Madruga

No dia 04 de maio, a Agência de Notícias do Governo do Paraná soltou uma matéria, com o título “Imagens comprovam participação de black blocs em manifestação”, com fotos, de que haviam tais manifestantes. A matéria diz que “de acordo com o trabalho de inteligência da Secretaria da Segurança, há indícios de que black blocs tenham promovido o início do confronto com policiais que cumpriam uma ordem judicial de isolamento da Assembleia Legislativa do Paraná”.

Em entrevista para a Joice Hasselmann, na TVeja, o Governador Beto Richa insinua que os Black Blocs haviam sido convocados para as manifestações contra seu governo.

Esta versão foi desmontada durante a coletiva de imprensa que Ministério Público do Paraná realizou ontem, 29 de junho, em Curitiba. Questionados pela jornalista da Folha de São Paulo, Estelita Hass Carazzai, sobre a participação de Black Blocs, os promotores responderam que “nem mesmo algum dos mais de 1.600 policiais militares conseguiram identificar nenhum ativista do movimento Black Bloc”.

E mais, um dos acusados, segundo o MP-PR, é um fotografo, que usava uma máscara para se proteger do gás de lacrimogêneo, assim como muitos outros professores e servidores de outras categorias. Numa audiência da Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal, no dia 06 de maio, uma professora da Unespar já havia denunciado esta manobra do governo do PSDB no Paraná.

E a própria Policia Civil, subordinada de Beto Richa, iniciou duas investigações para apurar a participação de ativistas radicais durante as manifestações. Uma delas já foi arquivada e é possível que a outra também seja. E segundo o MP-PR, mesmo que tivessem tais “arruaceiros” naquele episódio, era dever do estado proteger os manifestantes e não tratar todos que ali estavam como criminosos.

Manifestantes usaram máscaras, lenços, camisetas e toalhas para se protegerem do gás de lacrimogêneo. Foto: Joka Madruga

Entenda o caso

Ontem, 29 de junho, uma ação civil pública, por atos de improbidade administrativa, foi ajuizada pelo Ministério Público do Paraná contra o governador do Estado, Carlos Alberto Richa, o ex-secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Fernando Destito Francischini, e o ex-comandante da Polícia Militar, César Vinícius Kogut. Também são requeridos na ação o ex-subcomandante da PM Nerino Mariano de Brito, o coronel Arildo Luís Dias e o tenente-coronel Hudson Leôncio Teixeira.

Esta ação é fruto da investigação do MP-PR por causa do massacre ocorrido no dia 29 de abril, no Centro Cívico de Curitiba, onde mais de 200 pessoas, na maioria professores, foram agredidos com mais de mil bombas e mais de duas mil balas de borracha. Eles protestavam contra o projeto de lei, encaminhado pelo Executivo estadual, que dispunha sobre modificações no regime previdenciário dos servidores públicos do Estado.

Governo do Paraná afirmou que haviam blac blocs nas manifestações. Foto: Joka Madruga

Joka Madruga
Terra Sem Males, com informações do MP-PR, AEN e Youtube

9 thoughts on “Para o MP-PR, Beto Richa (PSDB) mentiu ao afirmar que haviam black blocs entre os servidores no dia 29 de abril

  • 30 de junho de 2015 em 15:42
    Permalink

    Mentira é do MP então, ou melhor… PT, porque essas acusações não tem coerência nenhuma… A violência só ocorreu porque a APP influenciou os manifestantes a ir na mesma onda do PT que o objetivo é o que??? Sujar a imagem do Beto Richa, independentemente de estar certo ou não… E todo mundo ainda acredita!

    Resposta
  • 30 de junho de 2015 em 17:02
    Permalink

    Os policias estavam ali por conta de uma ordem judicial, fazendo a segurança do local. E quando começou a baderna os policiais tiveram de agir, pois não poderiam deixar que os manifestantes entrassem na Assembléia e quebrasse tudo.

    Resposta
  • 30 de junho de 2015 em 17:04
    Permalink

    Os black blocs foram identificados sim, até porque nenhum professor de verdade iria armado do jeito que essa turma estava. A PM precisou agir, até porque estavam ali para fazer a segurança e proteger caso necessário..

    Resposta
  • 30 de junho de 2015 em 17:05
    Permalink

    Os policias não estavam lá para bater de frente com os manifestantes, mas já esses black blocs chegaram quebrando tudo. E o trabalho da PM era cuidar, e na hora da muvuca tiveram que agir.

    Resposta
  • 30 de junho de 2015 em 17:48
    Permalink

    Não precisa ir longe, existem imagens que mostram os vândalos depredando o espaço público. O MP ta parecendo mais M-PT isso sim.

    Resposta
  • 1 de julho de 2015 em 14:53
    Permalink

    Oposição sempre tentando sujar a imagem do governador, não tem jeito mesmo, já ficou mais do que evidente que foram os blac blocks infiltrados pela APP Sindicato, e está bem nítido

    Resposta
  • 1 de julho de 2015 em 14:53
    Permalink

    Oposição sempre tentando sujar a imagem do governador, não tem jeito mesmo, já ficou mais do que evidente que foram os blac blocks infiltrados pela APP Sindicato, e está bem nítido que o MP está a favor do PT.

    Resposta
  • 1 de julho de 2015 em 14:55
    Permalink

    A PM estava lá pedido da justiça para manter a segurança por lá, pois se não com certeza o estrago feito pelos blac blocks teria sido muito maior, e se eles não tivessem agido com força bruta não teria sido preciso a PM se defender.

    Resposta
  • Pingback: EDUCAÇÃO E RESISTÊNCIA | Terra Sem Males

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *