Protesto aponta irregularidades na empresa de transporte público de Curitiba

Compartilhe esta notícia.

Presidente do sindicato foi suspenso após denúncias contra a gestão Fruet.

por Manoel Ramires
Terra Sem Males

Um protesto em frente à Prefeitura de Curitiba apontou irregularidades na gestão da URBS, empresa que administra o transporte público da capital paranaense, na gestão Gustavo Fruet. Entre os problemas apontados está a suspensão do presidente do Sindiurbano/PR e o não pagamento de salário e benefícios. Valdir Aparecido Mestriner denunciou a direção da URBS por irregularidades no contrato do ônibus, além de práticas de assédio moral e sexual.

O ato contou com a presença de diversos sindicatos e da Central Única dos Trabalhadores (CUT-PR). Eles apontam prática antissindical com a suspensão do presidente em um manifesto. “As entidades sindicais afirmam que a decisão inédita e arbitrária da direção da URBANIZAÇÃO CURITIBA – URBS é um gravíssimo ato antissindical que visa enfraquecer o sindicalismo, a negociação coletiva e os direitos dos trabalhadores da URBS. As entidades sindicais exigem que o prefeito municipal Gustavo Fruet, responsável pela nomeação da atual direção, restabeleça todos os direitos individuais e coletivos do dirigente sindical Valdir Aparecido Mestriner, em especial o seu salário e benefícios como o plano de saúde e vale alimentação e encerre o processo de inquérito judicial”, defende a nota conjunta.

O presidente Valdir Mestriner listou diversos conflitos. Recentemente ocorreu uma greve, duas paralisações e três passeatas devido a atrasos salariais e de benefícios da categoria. Isso desde maio de 2015. Neste ano, em julho, foi realizada nova greve contra 0% de reajuste da categoria em uma inflação de 10%. Sem acordo, a campanha salarial está em dissídio coletivo no Tribunal Regional do Trabalho.

“Eu ousei desafiar e criticar duramente a gestão Gustavo Fruet. Em virtude disso, o prefeito e a direção da URBS, de forma arbitrária, querem a minha demissão por justa causa na justiça do trabalho. Eles confundem o Valdir trabalhador com o Valdir presidente que fez denúncias de irregularidades comprovadas com testemunhas e provas”, expõe Maestriner.

Solidariedade
No ato, dirigentes sindicais e de movimentos sociais prestaram solidariedade ao SindiurbanoPR e cobraram transparência da gestão municipal com relação ao transporte público. “Qual é a falta grave que Valdir cometeu? Ele denunciou a máfia do transporte coletivo de Curitiba, que Gustavo Fruet nada fez. O que eles querem é acabar com a URBS para colocar uma empresa privada para controlar o transporte. Fruet prefere atacar o movimento sindical a arrumar os problemas”, alerta André Machado, da Plenária Popular do Transporte.

Irene Rodrigues, coordenadora-geral do Sismuc, enfatizou a autonomia e liberdade sindical e o papel fiscalizador que as entidades fazem aos governantes. “Maestriner ousou enfrentar um dos donos da cidade e participar de processo de investigação sobre o transporte público, entrando com ação civil pública. Ele cobrou transparência e está pagando o preço com seu pedido de demissão”, se indigna.

Escândalo moral e sexual
A URBS já fez três acordos judiciais com relação a assédio moral e sexual. Dois deles envolvendo trabalhadores com pagamento de indenização. Um acordo custou R$ 5 mil e foi de uma diretora da URBS contra uma trabalhadora demitida. O outro atingiu valor de R$ 110 mil e foi contra o ex-procurador jurídico da URBS. Esse acordo está relacionado à comissão do transporte coletivo formada por Gustavo Fruet. Essas ações estão em segredo de justiça.

A terceira ação foi movida pelo Ministério Público do Trabalho. A URBS fez acordo na justiça do trabalho. Esse acordo contém 15 itens para inibir assédio moral e sexual. Também assumiu compromisso de fazer campanha publicitária no valor de R$ 1 milhão. A decisão foi tomada em 16 de setembro.

“Contudo a atual direção da URBS não fez nenhuma apuração interna dos atos denunciados pelo sindicato e Ministério Público, mas sim decidiu afastar e perseguir o dirigente sindical que organizou a luta para acabar com o assedio na empresa”, denuncia a nota dos sindicatos.

anuncio-tsm-posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *