QUEM COM FERRO FERE, COM FERRO SERÁ FERIDO

Compartilhe esta notícia.

1 – Michel Temer achou que seria aclamado como novo presidente da República após carta magoada direcionada à presidente Dilma Rousseff. Carta escrita enquanto ele fugia do encontro com a dona da cadeira. Foi uma tacada de mestre. Foi, porque o ressentimento flagrante no texto mostra a vaidade e o desejo de vestir a faixa presidencial.

2 – Mas Temer não assumiu o posto. E dificilmente assumirá se não migrar de vez para as fileiras golpistas. É o que fica claro com a carta, quando exalta o diálogo com os setores mais reacionários, quando expõe “A Ponte para o futuro”, que é uma carta de ataque aos direitos dos trabalhadores.

3 – Temer agora tem algo a temer. Porque “quem com ferro fere com ferro será ferido”. Ademais de toda centralidade e arrogância da presidente Dilma Rousseff, o que se esperava dele não era o fritamento em público de companheiros de legenda e a exposição do toma lá da cá da política. Dilma tem 54 milhões de votos. E Temer?

4 – Lealdade é o que falta a Temer. Como liderança maior do partido, por que não corta as asas de Eduardo Cunha, por que não o leva a comissão de ética do PMDB, por que não sugere seu afastamento e até expulsão dos quadros do partido? Nas denúncias contra Delcídio do Amaral, o PT fez esse movimento. Até os tucanos disseram que levariam seus políticos a conselhos próprios. Já o PMDB e Michel Temer disfarçam.

5 – Dilma Rousseff tem mais um, entre tantos, inimigos declarados em seu governo a combater. Se ela ganhar, não resta outro caminho a Temer a não ser a lealdade com o país e sua renúncia.

Por Manolo Ramires
Terra Sem Males

anuncio-tsm-posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *