Sobre a necessidade do socialismo

Compartilhe esta notícia.

Artigo de Venâncio de Oliveira, economista e doutorando na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), para o Terra Sem Males.

“a necessidade de uma sociedade racional, que planifica, que estimula o consumo coletivo, combate a noção absurda do ‘individualismo absoluto’, impregnado na máquina carro, é candente”.

A Cidade do México recentemente passou por uma crise de poluição muito tensa. A coisa pegou tanto que parques fecharam. O governo liberou o metrô de graça. Proibiu alguns carros de circular. Na próxima semana ele mantém a medida de “não circulação” dependendo do final da placa. Política tardia. Focada e desesperada.

Mas a questão é a necessidade: algo que se tornou insuportável fez atuar contra “a lógica irracional do carro”. Muita gente começa a ter um discurso que sempre a esquerda teve sobre estímulo ao transporte público e bicicleta. E a coisa aperta, a poluição continua, o transporte vai virar ainda mais caótico, pois o ônibus é uma merda e o metrô, mesmo com uma malha ferroviária boa, é velho e precisa de manutenção.

A questão é: é candente a necessidade de uma sociedade racional, que planifica, que estimula o consumo coletivo, combate a noção absurda do “individualismo absoluto”, impregnado na máquina carro.

Planificação da produção

Outro dia, numa discussão com um amigo, ele me falou que reforma agrária não era para o Brasil. Fiquei pensando, pode ser que haja dificuldades de assimilar subjetivamente, mas não quer dizer que não seja necessário ter uma política de alimentos racional, diversificada, ecologicamente inclusiva, com melhor manejo de água, etc sem a irracionalidade de gastos excessivos de água, de desmatamento como é a lógica do agronegócio.

Mas estas questões nunca serão resolvidas pela lógica do capitalismo atual. A noção de socialismo e da ideia mais radical do comunismo é uma noção aberta, uma lógica societal que se faz no hoje. Não é um delírio, é parte da luta histórica de muitos. E políticas específicas que são elaboradas por socialistas, capazes de existirem no capitalismo, mas tensionando ele, é a realidade necessária para desordem do mercado, violência e poluição.

O capitalismo é irracional, é uma lógica individualista irracional. Há diversas políticas do capital, como diversas políticas de natureza socialista.

O fascismo não é a mesma coisa que o liberalismo do Friedman, como não é o capitalismo norueguês, com grande abertura para ideias socialistas, mas limitado territorialmente.

A necessidade de cortar o mal pela raiz, de ir além da política governada pelo lucro e a noção de que é necessária uma planificação social, baseada na propriedade democrática e social dos meios de vida, dos serviços, de indústrias importantes, é só a matriz histórica socialista que pode oferecer.

Ainda que já tenha havido políticas socialistas claramente limitadas quanto à racionalidade da planificação da produção e consumo, é ainda na lógica de planejamento, de comunalismo, de preferência pelo cooperativo, salário igual para igual trabalho, que se incubam ideias inovadoras de como resolver crises concretas. A noção de revolução, também é a noção mais criativa, ora… é só neste momento que saímos do gelo da mesmice de considerar a injustiça como natural, e estamos dispostos a cortar nosso mal pela raiz.

O mundo gira, temos muitas dificuldades de elaborar novas revoluções nos dias atuais, mas não paramos, seguimos fazendo História, e ela não está morta, não há nada dado, a necessidade de algo, não quer dizer sua inexorabilidade, mas que temos realmente possibilidade de fazê-la. A política real aparece hoje apenas como pequena política, mas dentre socialistas reformistas, revolucionários, ainda se formulam programas e possibilidades humanas que nos dão alento. E seguimos, pensando, lutando e escrevendo nossa própria emancipação humana, contra poluições, bem como no combate aos Eduardo’s Cunha’s da vida.

anuncio-tsm-posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *